Os primeiros meses de vida das crianças são determinantes para o seu desenvolvimento físico e cognitivo e podem ter repercussões na sua saúde. O leite materno é considerado como o único alimento capaz de suprir todas as necessidades nutricionais do lactente, de forma exclusiva, no primeiro semestre de vida. No entanto, quando a mãe não tem a possibilidade de amamentar, ou opta por não o fazer, existem fórmulas infantis concebidas para substituir o leite materno.

As fórmulas infantis têm sido continuamente aperfeiçoadas com o intuito de se assemelharem, tanto quanto possível, ao leite materno, permitindo a ingestão de nutrientes nas quantidades preconizadas para cada estado de maturação fisiológico e neurológico do lactente, contribuindo para o seu crescimento saudável.

Este trabalho aborda alguns conceitos-chave acerca da alimentação e nutrição do lactente, evidenciando a diversidade de fórmulas infantis existentes no mercado português, especificando as diferenças entre os produtos e algumas orientações para a sua correta utilização.

 

 

Introdução: As práticas alimentares nos primeiros 2 anos de vida condicionam o crescimento e a saúde futura da criança. Informação atualizada sobre que fatores estão associados às práticas de aleitamento materno e de diversificação alimentar é necessária para apoiar políticas de saúde materno-infantil.

Objetivos: Caraterizar a prática de aleitamento materno e diversificação alimentar e fatores associados numa amostra representativa de crianças Portuguesas.

Metodologia: O estudo incluiu uma amostra de 904 crianças dos 3 aos 35 meses, avaliadas no Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física (IAN-AF 2015-2016). O questionário sobre práticas alimentares no primeiro ano de vida foi aplicado aos pais/cuidadores. Para estimar as proporções usou-se análise de sobrevivência e para estimar as associações utilizaram-se modelos de regressão de Cox.

Resultados: A proporção de crianças que nunca foi amamentada é de cerca de 6% e 30% deixou de ser amamentada antes dos 4 meses. A duração do aleitamento materno foi maior em mães mais velhas, menos escolarizadas e desempregadas. Apenas 3,3% das crianças iniciaram a diversificação alimentar antes dos 4 meses de idade. Em 66% dos casos, o primeiro alimento introduzido foi a sopa de vegetais. Pelo menos 7% das crianças consumiram leite de vaca antes dos 12 meses de idade e a probabilidade de introdução precoce do mesmo foi maior no caso de mães menos escolarizadas e desempregadas. Também as crianças assistidas pelo médico de família apresentaram maior risco de introdução precoce de leite de vaca comparativamente a crianças assistidas pelo pediatra.

Conclusões: Entre as crianças portuguesas as práticas alimentares parecem ocorrer, globalmente, de acordo com as recomendações. O abandono precoce do aleitamento materno é mais frequente em mães mais escolarizadas e ativas profissionalmente. Outras práticas que podem comprometer o crescimento saudável da criança, como a introdução precoce do leite de vaca, são mais frequentes em grupos socioeconómicos mais desfavorecidos.