Vitamina D e Cancro: dos mecanismos biológicos à utilidade terapêutica

Joana Silva, Paula Pereira, Nuno Couto e Renata Ramalho

Acta Portuguesa de Nutrição 2018, 12, 32-37 , https://dx.doi.org/10.21011/apn.2018.1206

Visualizações: 375 | Downloads PDF: 20


Download PDF See metadata Add to Mendeley Cite

Resumo

Atualmente, a deficiência em vitamina D é prevalente em todo o mundo. A associação entre esta deficiência e o desenvolvimento de doenças ósseas é já reconhecida; contudo, evidências mais recentes têm-na também relacionado com o aumento do risco de desenvolvimento de vários tipos de cancro.

Nos últimos anos, estudos in vitro e in vivo têm vindo a mostrar que a 1,25-dihidroxivitamina D (1,25(OH)D) é capaz de exercer efeitos anticancerígenos através da sua ligação a um recetor intracelular específico, o vitamin D receptor (VDR), o qual se encontra ativo tanto nas células benignas como nas malignas, em vários órgãos e tecidos de diversos sistemas do organismo, promovendo a transcrição de genes e a síntese de proteínas. Esta descoberta levou a um aumento do interesse clínico para a potencial utilização da vitamina D como fator adjuvante na prevenção e no tratamento do cancro.

Os autores apresentam uma revisão da literatura no que respeita aos mecanismos biológicos e bioquímicos responsáveis pelos efeitos anticancerígenos da vitamina D; e exploram pormenorizadamente estes efeitos à luz da evidência atual.



Palavras-chave: 1, 25(OH)D, Apoptose, Cancro, Carcinogénese, Vitamina D