Cerca de quatro meses depois da data inicialmente prevista, teve lugar em Lisboa o XIX Congresso de Nutrição e Alimentação da Associação Portuguesa de Nutrição, mais concretamente nos dias 8 e 9 de Setembro. Tratou-se de uma edição certamente invulgar, resultante dos inúmeros condicionalismos colocados pela pandemia COVID 19. Este Congresso, que ao longo das anteriores dezoito edições foi construindo não só um lugar referencial no que diz respeito às reuniões científicas de Nutrição e Alimentação em Portugal, como sempre constituiu um importante local físico de discussão entre o cada vez maior número de investigadores e profissionais da área, viu-se, súbita e inesperadamente, privado totalmente desta segunda vertente e com importantes condicionalismos à primeira.

Decidiu, em boa hora, a Comissão Organizadora manter a realização do Congresso, transformando o seu modelo mas definindo como principal linha orientadora a manutenção da indispensável qualidade científica e técnica. Graças a este esforço, foi assim possível pôr de pé esta XIX edição, com um resultado final que nada fica a dever às edições anteriores. Provam-no os seus números, com cerca de 1500 participantes, 52 oradores e moderadores, e um número record de comunicações livres apresentadas, 34 comunicações orais e 121 pósteres. Nesta edição da Acta Portuguesa de Nutrição são publicados estes resumos, que deixam assim o perene testemunho da riqueza e qualidade desta edição. Como para tantas atividades da nossa vida quotidiana, também a realização de reuniões científicas ficou severamente afetada pelas condicionantes atuais. No entanto, o inegável sucesso da presente edição deste Congresso mostra não só o valor e o interesse intrínseco das Ciências da Nutrição e Alimentação como nos abre novas e interessantes possibilidades de interação e colaboração que há pouco tempo seriam impensáveis.

Ainda na presente edição, são publicados dez artigos, testemunho do esforço de tantos investigadores, mas também de um exército anónimo de revisores, sem os quais não seria possível sustentar o aumento de publicações que se tem progressivamente observado nesta revista. É sobretudo a estes que gostaríamos de publicamente agradecer, fazendo notar que será com a sua colaboração que a Acta Portuguesa de Nutrição continuará a tentar alcançar objetivos mais ambiciosos, nomeadamente no que se refere à sua indexação a bases de dados ainda mais relevantes.