Defesa e Fraude Alimentar na Integridade da Cadeia de Fornecimento de Alimentos – Breve Revisão

Maria João Costa, Paula Teixeira e Raquel Moreira

Acta Portuguesa de Nutrição 2020, 20, 38-43 , https://dx.doi.org/10.21011/apn.2020.2007

Visualizações: 257 | Downloads PDF: 22


Download PDF See metadata Add to Mendeley Cite

Resumo

A Organização Mundial da Saúde identificou a contaminação alimentar intencional como uma das principais ameaças à saúde pública no século XXI, cujos impactos podem assumir proporções consideráveis na saúde dos consumidores, sociedade, economia, política e segurança nacional.

A temática da defesa alimentar é recente em Portugal e a sua implementação têm-se concentrado em empresas detentoras de referenciais suportados pela Global Food Safety Initiative.

Este trabalho tem como objetivo apresentar os conceitos de defesa alimentar, fraude alimentar e proteção alimentar, o seu contributo para a integridade da cadeia de fornecimento de alimentos bem como as principais metodologias reconhecidas para responder à temática.

A defesa alimentar contribui para a mitigação de riscos potenciais em contaminação intencional e fraude alimentar. Existem várias metodologias e ferramentas que auxiliam na implementação de um sistema de defesa alimentar, sendo que a maioria tem por base o sistema HACCP (Hazard Analysis and Critical Control Points).

A implementação de sistemas de defesa alimentar e de prevenção da fraude alimentar acrescentam robustez e coesão à cadeia de fornecimento de alimentos, sendo, por isso, essencial aumentar a consciencialização dos profissionais e operadores do setor alimentar para o tema.



Palavras-chave: Ameaça, Defesa alimentar, Fraude alimentar, Proteção alimentar, Vulnerabilidade