Dieta Cetogénica e Saúde Mental – Revisão Narrativa

Ketogenic Diet and Mental Health – A Narrative Review

Luísa Pereira, Nuno Matos e Rui Poínhos

Acta Portuguesa de Nutrição 2022, 31, 78-83 , https://dx.doi.org/10.21011/apn.2022.3113

Visualizações: 1310 | Downloads PDF: 167


Download PDF See metadata Add to Mendeley Cite

Resumo

As perturbações mentais estão a tornar-se mais prevalentes a nível global, e existe evidência de que a nutrição é um fator crucial no que diz respeito à sua prevalência e incidência. As abordagens de tratamento mais utilizadas, a psicoterapia e a psicofarmacoterapia, nem sempre são acessíveis, toleráveis ou eficazes no alívio dos sintomas. As dietas cetogénicas, restritas em hidratos de carbono, moderadas em proteína e ricas em gordura, são há muito utilizadas no tratamento de epilepsia refratária e, mais recentemente, têm vindo a ser investigadas no âmbito de muitas outras condições metabólicas, neurodegenerativas e do neurodesenvolvimento. Este trabalho pretende rever a evidência existente relativamente à utilização das dietas cetogénicas na prevenção e tratamento de perturbações mentais. Foi realizada uma pesquisa nas bases de dados PubMed e Scopus, de fevereiro a junho de 2022. Os estudos encontrados atribuem às dietas cetogénicas um efeito ansiolítico, antidepressivo, estabilizador do humor e antipsicótico, para além de reduções significativas na sintomatologia de várias outras perturbações, como autismo, ingestão compulsiva, hiperatividade e abuso de substâncias. Contudo, os estudos em humanos são escassos e de baixa qualidade. Em conclusão, a escassez de ensaios clínicos aleatorizados e controlados não permite traçar, neste momento, conclusões firmes sobre a eficácia das dietas cetogénicas nas perturbações mentais. No entanto, o seu carácter promissor justifica a realização de mais estudos.


Abstract






Mental disorders are becoming more prevalent globally, and there is evidence that nutrition is a crucial factor regarding their prevalence and incidence. The most used treatment approaches, psychotherapy and psychopharmacotherapy, are not always accessible, tolerable, or effective in relieving symptoms. Ketogenic diets, restricted in carbohydrates, moderate in protein and high in fat, have long been used in the treatment of refractory epilepsy and, more recently, have been investigated in the context of many other metabolic,neurodegenerative, and neurodevelopmental conditions. This work aims to review the existing evidence regarding the use of ketogenic diets in the prevention and treatment of mental disorders. A literature search was carried out in PubMed and Scopus databases, from February to June 2022. The studies found attribute an anxiolytic, antidepressant, mood-stabilizing and antipsychotic effect to ketogenic diets, in addition to significant reductions in the symptoms of various other psychological disorders, such as autism, binge eating, hyperactivity and substance abuse. However, human studies are few and of low quality. In conclusion, the scarcity of randomized and controlled clinical trials does not allow, at the moment, to draw firm conclusions about the effectiveness of ketogenic diets in mental disorders. Nevertheless, the promising nature of these diets justifies further studies.




 








Palavras-chave: Ansiedade, Anxiety, Cetose, Depressão, Depression, dieta cetogénica, Ketogenic diet, Ketosis, Mental disorders, Perturbações mentais