Terá o consumo de tomate de produção local um menor impacte ambiental comparativamente ao de produção global?

Does the consumption of locally produced tomatoes have a lower environmental impact compared to those globally produced?

Alexandre Vargas, Beatriz Teixeira, Joana Margarida Bôto e Mariana Rei

Acta Portuguesa de Nutrição 2022, 31, 50-55 , https://dx.doi.org/10.21011/apn.2022.3108

Visualizações: 760 | Downloads PDF: 75


Download PDF See metadata Add to Mendeley Cite

Resumo

Introdução: O impacte ambiental da produção agrícola de tomate tem vindo a ser cada vez mais estudado, considerando-se que existe uma influência da localização geográfica da sua produção e do seu consumo.

Objetivos: Quantificar e comparar o impacto ambiental do tomate a nível de produção local versus global, com recurso a case studies, e simular o correspondente ao Potencial de Aquecimento Global (100 anos), em kg CO2 eq, da produção de tomate em Portugal versus o correspondente ao importado de Espanha, Itália e Holanda.

Metodologia: De abril a maio 2022 recorreu-se à Scopus, para incluir os artigos desta revisão narrativa. Incluíram-se termos como avaliação do ciclo de vida”, tomate”, produção”, impacte ambiental” e indicador de sustentabilidade”. Recorreu-se ao software SIMA PRO (versão 2022) para obter o Potencial de Aquecimento Global (100 anos), em kg CO2 eq, relativo à produção de tomate em Espanha, Itália e Holanda. Procurou-se a mesma informação na literatura para Portugal.

Resultados: Incluíram-se 5 artigos transversais realizados em Espanha, França, Suécia e Áustria. Consideraram-se os seguintes indicadores de sustentabilidade: Emissão de Gases de Efeito Estufa, Potencial de Aquecimento Global, Privação de Água e Destruição da Camada do Ozono. Não é possível afirmar que a produção local do tomate tem um menor impacte ambiental que a sua produção global (importação), dependendo este impacto de fatores como o tipo de produção e do indicador de sustentabilidade utilizado. Quanto à simulação efetuada, espera-se que produzir tomate em Portugal tenha um menor Potencial de Aquecimento Global (100 anos) do que importar de Espanha, Holanda ou Itália ([0,035-0,080] kg CO2 eq versus 0,84, 2,12 e 1,56 kg CO2 eq, respetivamente).

Conclusões: O impacte ambiental da produção local do tomate nem sempre é menor do que o da sua produção global. Recomenda--se a realização de mais estudos em Portugal para determinar o impacte ambiental da produção deste alimento para ser possível, mais robustamente, fazer comparações com outros países.


Abstract




Introduction: Environmental impact of agricultural production has been increasingly studied and it has been considered that there is an influence of the geographical location of its production and consumption.


Objectives: To quantify and compare the environmental impact of tomatoes at the local versus global production level, using case studies, and to simulate the corresponding Global Warming Potential (100 years), in kg CO2 eq, of tomato production in Portugal versus tomato production imported from Spain, France and Sweden.


Methodology: From April to May 2022, Scopus was used to include articles in this narrative review. Terms such as life cycle analysis”, tomato”, production”, environmental impact” and sustainability indicator” were included. SIMA PRO software (version 2022) was used to obtain Global Warming Potential (100 years), in kg CO2 eq, for tomato production in Spain, Italy and Netherlands. The same information was sought in literature for Portugal.


Results: Five cross-sectional articles carried out in Spain, France, Sweden and Austria were included. The following sustainability indicators were considered: Greenhouse Gas Emissions, Global Warming Potential, Water Deprivation and Depletion of the Ozone Layer. It is not possible to say that tomatoes from local production have a lower environmental impact than their global production (imports), being this impact depending on factors such as production type and the sustainability indicator used. Considering the simulation performed, it is expected that producing tomatoes in Portugal has a lower Global Warming Potential (100 years) than importing it from Spain, Netherlands or Italy ([0.035-0.080] kg CO2 eq versus 0.84, 2.12 e 1.56 kg CO2 eq, respectively).


Conclusions: Environmental impact of local tomato production is not always less comparing to tomato from global production. More studies are needed in Portugal to determine the environmental impact of tomato production to be able to, more robustly, make comparisons with other countries.




 






Palavras-chave: Ciclo de vida, Food sustainability, Global production, Life cycle, Local production, Produção global, Produção local, Sustentabilidade alimentar, Tomate, Tomato