Estratégia para a Alimentação Escolar em Portugal – uma proposta

Alexandra Bento, Tânia Cordeiro, Ana Frias, Clara Salvador, Delphine Dias, Luís Filipe Amaro, Rui da Silva e Carla Gonçalves

Acta Portuguesa de Nutrição 2018, 13, 08-13 , https://dx.doi.org/10.21011/apn.2018.1302

Visualizações: 136 | Downloads PDF: 16


Download PDF See metadata Add to Mendeley Cite

Resumo

A escola é descrita como um local privilegiado para a modulação de comportamentos alimentares e para a promoção da saúde, visto proporcionar aos alunos conhecimentos e competências para a adoção de comportamentos saudáveis. Na atualidade, verifica-se a existência de normativos legais e referenciais estratégicos para a alimentação escolar cuja aplicação não tem sido monitorizada, bem como a publicação de novos diplomas em resposta a notícias veiculadas na comunicação social que apontaram fragilidades no fornecimento alimentar nas escolas. O papel excessivamente reativo do Estado nestas matérias deve ser substituído por uma estratégia de longo prazo assente na promoção da saúde, para que seja possível uma avaliação efetiva da alteração dos comportamentos alimentares, indicadores significativos de ganhos em saúde.

É neste sentido que os autores apresentam uma proposta para a intervenção na alimentação escolar em Portugal, com a inclusão do nutricionista escolar, assente em dois eixos fundamentais: intervenção ao nível da comunidade escolar, com informação e respetiva capacitação e intervenção ao nível do ambiente alimentar.



Palavras-chave: Alimentação, Bufete, Escola, Nutricionista escolar, Refeitório