Estado nutricional e risco de doença de Alzheimer

Maria Janaina Bernarda da Silva, Marcela Paloro, Mike Yoshio Hamasaki e

Acta Portuguesa de Nutrição 2016, 4, 24-27 , https://dx.doi.org/10.21011/apn.2016.0405

Visualizações: 304 | Downloads PDF: 38


Download PDF See metadata Add to Mendeley Cite

Resumo

Doença de Alzheimer é uma desordem neurodegenerativa caracterizada por depósitos de peptídeos beta-amiloides extracelulares e emaranhados neurofibrilares intracelulares. Em termos sintomatológicos, as alterações das funções cognitivas são as condições mais frequentemente encontradas nos indivíduos com doença de Alzheimer, sendo a demência a principal delas. Entre os diversos fatores de risco para a doença, é amplamente reconhecido que a idade é o principal deles. Segundo as associações americana, brasileira, britânica e canadense de Alzheimer, fatores ambientais de risco, associados ao estilo de vida, são igualmente importantes para o desenvolvimento da doença de Alzheimer. Diversos artigos científicos sugerem que a obesidade está entre os fatores associados ao estilo de vida que podem aumentar a incidência dessa doença. Entretanto, um estudo publicado recentemente aponta resultados discrepantes quanto ao verdadeiro papel da obesidade em promovê-la. Levando em consideração a divergência presente na literatura científica sobre as influências da obesidade e do baixo peso na génese da demência, este trabalho refletiu sobre os aspetos fisiopatológicos que confirmam se o estado nutricional pode ou não ser considerado fator de risco para a doença de Alzheimer.



Palavras-chave: Desnutrição, Doença de Alzheimer, Inflamação, Obesidade, Stresse oxidativo