EDITORIAL

Nuno Borges e

Acta Portuguesa de Nutrição 2016, 7, 02 , https://dx.doi.org/10.21011/apn.2016.0701

Visualizações: 28 | Downloads PDF: 0


Download PDF See metadata Add to Mendeley Cite

Resumo

No presente número da Acta Portuguesa de Nutrição são apresentados três artigos que focam diversos aspetos da nutrição em idade pediátrica. Muito embora se tenha assistido nas últimas décadas a uma diminuição progressiva da natalidade em Portugal, contribuindo assim para um envelhecimento da população e para a crescente importância dos idosos na definição das políticas ligadas à alimentação e nutrição, é por demais evidente o esforço que ainda é necessário fazer no estudo e na implementação de medidas a este nível em crianças e adolescentes.

A definição de um adulto saudável, diz-nos hoje a melhor ciência disponível, inicia-se ainda antes da conceção, com um adequado estado nutricional materno. O período da gravidez e os primeiros anos de vida da criança são igualmente decisivos para garantir que a criança se torne num adulto saudável e que exprima todo o potencial genético de que dispõe. Infelizmente assistimos ainda a níveis inaceitáveis de problemas ligados à má alimentação nesta decisiva fase da vida, dos quais destacamos a grande prevalência de excesso de peso e obesidade, que coloca Portugal num pouco invejável lugar entre os seus pares Europeus. Este problema projeta-se depois para a idade adulta, com consequências pesadas sobre o morbilidade e a mortalidade, assim como sobre os consequentes custos que todos suportamos com o Serviço Nacional de Saúde. A disponibilização de alimentos de elevada palatibilidade e baixa densidade nutricional, assim como a pressão publicitária a eles associada, contribui certamente para a manutenção do problema e exigirá, num futuro que se espera próximo, medidas de ajuste por parte da sociedade. Portugal tem igualmente níveis muito baixos de atividade física nas suas crianças e adolescentes e este é também um problema que urge corrigir.

Acresce que existe ainda um caminho a percorrer na definição das melhores linhas de orientação acerca da alimentação nos primeiros anos de vida e esta é uma missão a que a comunidade científica terá de dar resposta adequada. A Acta Portuguesa de Nutrição contribui assim para uma melhor compreensão do vastíssimo fenómeno da nutrição pediátrica, dando voz aos estudos científicos de qualidade nesta área.