EDITORIAL

Nuno Borges
Resumo

O ano de 2020 fica definitivamente marcado pelo aparecimento da pandemia COVID-19, uma doença transmissível vírica, que afetou transversalmente milhões de pessoas em todo o Mundo, com efeitos marcadíssimos quer na saúde quer em muitos outros aspetos da nossa sociedade. É ainda cedo para conseguir prever o resultado a longo prazo desta situação, mas não é difícil prognosticar que alguns dos nossos hábitos de vida vão ficar temporária ou permanentemente alterados, nomeadamente os que se referem ao modo como nos alimentamos. Do mesmo modo, é já possível perceber que esses mesmos hábitos alimentares e a sua correspondente expressão no nosso estado nutricional e de saúde têm influência significativa na forma como lidamos com esta infeção, sendo que foi demonstrada uma maior gravidade da sua expressão clínica em indivíduos obesos ou diabéticos, por exemplo.

Este tremendo impacto da pandemia estende-se também a outras áreas não menos importantes relacionadas com a alimentação, nomeadamente na produção e distribuição de alimentos e no inevitável empobrecimento de muitas famílias e suas consequências nas respetivas escolhas alimentares. Não podemos ainda esquecer que este foi um período em que a formação presencial pré e pós--graduada de tantos profissionais de saúde, incluindo Nutricionistas, foi severamente reduzida, levando à procura de soluções formativas alternativas. Acrescenta-se que houve igualmente um apelo à notável capacidade de resiliência de muitos profissionais no acompanhamento diário de tantos doentes.

Entretanto, foi publicado muito recentemente um importante documento da Direção-Geral da Saúde, denominado REACT-COVID, onde são apresentados os resultados de um inquérito à população Portuguesa acerca da alteração dos seus hábitos alimentares e de atividade física durante a presente pandemia. Não sendo este o local próprio para um comentário mais aprofundado aos resultados, parece-nos ser de realçar que, no geral, muitos Portugueses alteraram os seus hábitos, sendo que várias dessas alterações (mas não todas) foram num sentido positivo, ou seja, aproximando-os de um modelo alimentar mais de acordo com o que sabemos ser uma alimentação saudável.

Parece, pois, imperioso que toda esta relação mútua entre a COVID-19 e a alimentação seja estudada e aprofundada, obviamente através de estudos cientificamente sólidos e publicados nas revistas com revisão por pares. É esse o papel de uma revista como a Acta Portuguesa de Nutrição e é esse o papel facilitador que a Associação Portuguesa de Nutrição deve prestar. Chamamos assim à atenção para a realização do Congresso de Nutrição e Alimentação de 2020, que, tendo também tido necessidade de ver a sua data e formato alterados, não deixará de constituir mais um momento de divulgação e partilha de conhecimento nesta área que a todos nos une.

Estudo comparativo do valor nutricional das águas com sabor disponíveis em Portugal

Comparative study of the nutritional value of the flavored waters commercialized in Portugal
Marta Laranjeiro Pinto; Ana Lúcia Baltazar
Resumo

RESUMO

Introdução: Nos últimos anos, aumentou a oferta de águas com sabor, vulgarmente apelidadas de águas aromatizadas, disponíveis em Portugal. Também o seu consumo sofreu um aumento significativo.

Objetivos: Comparar a composição e valor nutricional de águas com sabores produzidas por cinco marcas diferentes.

Metodologia: Consulta online de rótulos de águas com sabores disponíveis em Portugal, com e sem gás.

Resultados: A sua composição varia entre a combinação de água, entre 82 e 98%, e de sumo, entre 0 e 12%. Para além do ácido cítrico, presente em todas as marcas, os aditivos alimentares mais usados são os adoçantes (nutritivos e não-nutritivos) e os conservantes. Estas diferenças refletem-se no valor nutricional de cada água. As maiores diferenças estão relacionadas com o valor energético, o qual varia entre quatro e 26 Kcal/100 mL, e com o teor de açúcares, entre 0 e 5,3 g/100 mL. Por outro lado, algumas águas possuem um valor considerável de sal, o qual pode ascender a 0,17 g/100 mL.

Conclusões: Como conclusão, as águas com sabor são refrigerantes que contêm muitos aditivos podendo o seu consumo contribuir para um aumento significativo do aporte energético e de açúcar diário. Por este motivo devem ser consumidas ocasionalmente e nunca como substitutos da água.

PALAVRAS-CHAVE

Aditivos alimentares, Alimentos processados, Hidratação, Refrigerantes

 
ABSTRACT

Introduction: In the last years, there has been an increase in both the flavored waters available in Portugal and in their consumption.

Objectives: Compare the composition and the nutritional value of flavored waters produced by five different brands.

Methodology: Websites from various hypermarkets and specific companies were consulted to access the information regarding ingredients and nutritional value of the analyzed flavored waters.

Results: In general, the percentage of water from different brands varies between 82 and 98%, which is related to the amount of juice used, which goes from 0 to 12%. Besides these two ingredients, flavored waters have many food additives, like citric acid, present in all waters, sweeteners (nutritive or non-nutritive) and preservatives. These different compositions have an impact on their nutritional value. The main differences are related to the energy density, which varies between 4 and 26 Kcal/100 mL, and sugars, which vary between 0 and 5.3 g/100 mL. Moreover, some waters have a considerable amount of salt, up to 0.17 g/100 mL.

Conclusions: Despite being perceived as an excellent alternative, flavored waters are, in fact, sodas that have many food additives in their composition. Moreover, their consumption may contribute to a significant increase in the daily intake of calories and sugar. For these reasons, flavored waters should be consumed occasionally and never as a substitute for water.

PALAVRAS-CHAVE

Food additives, Processed food, Hydration, Soda

 

Oferta alimentar de menus infantis em restaurantes de centros comerciais portugueses: estudo qualitativo

Food center offer of kids menus in restaurants of portuguese shopping centers: qualitative study
Cláudia Viegas; Cláudia Afonso; João PM Lima; Maria Palma Mateus; Ada Rocha
Resumo

RESUMO

Introdução: O consumo de alimentos fora de casa aumentou e as famílias usam habitualmente os centros comerciais para realizar estas refeições. Os menus infantis disponíveis nos restaurantes são caracterizados por conterem alimentos com elevada densidade energética, ricos em gordura, gordura saturada, ácidos gordos trans e sódio e por uma oferta reduzida de hortícolas e fruta e de alimentos fornecedores de hidratos de carbono complexos, fontes alimentares de fibra e de vários micronutrientes.

Objetivos: Caracterizar a disponibilidade e a qualidade dos menus infantis nos restaurantes de centros comerciais em Portugal.

metodologia: Foi realizado um estudo observacional de desenho transversal realizado em todos os centros comerciais de 6 cidades de Portugal. Para dar resposta aos objetivos propostos foi elaborada uma ferramenta de recolha de dados que incluiu três seções: A: Identificação do restaurante, B: Características do restaurante e C: Características do menu infantil.

Resultados: Dos 184 restaurantes diferentes avaliados, apenas 44 disponibilizam menu infantil e, destes, 6 oferecem brindes associados ao mesmo. Os itens mais destacados nos menus são frango assado ou frito (25%), hambúrgueres grelhados ou fritos (25%), nuggets (18%) e pizza (18%). As batatas fritas são as opções mais frequentes de acompanhamento (41%). Apenas 6 restaurantes disponibilizam sopa ou hortícolas adicionados à refeição. Embora a água estivesse disponível, refrigerantes e sumos de frutas açucarados também são opções disponibilizadas. A sobremesa doce é frequentemente disponibilizada no menu.

Conclusões: As opções do menu infantil analisadas oferecem alimentos nutricionalmente desadequados e baixa disponibilidade de hortícolas e frutas. Propostas de alterações aos alimentos oferecidos nos menus infantis revela-se uma estratégia importante na promoção de hábitos alimentares mais saudáveis nas crianças.

PALAVRAS-CHAVE

Avaliação qualitativa, Menus infantis, Restaurantes

 
ABSTRACT

Introduction: Out-of-home food consumption has increased and families eating out frequently use shopping centres. Kid´s menus available at restaurants are characterized by contain foods with excessive energy, fat, saturated fat, -trans-fatty acids and salt and low vegetables, complex carbohydrate foods, fibre, and various micronutrients.

Objectives: Characterize the availability and quality of kid´s menus in shopping centre restaurants in Portugal.

METHODOLOGY: An observational cross-sectional study was carried out in all shopping centres of 6 cities in Portugal. To answer the purposed aims a data collection tool was developed with three-section parts A: Identification of the restaurant, B: Characteristics of the restaurant and C: Characteristics of the kid's menu.

Results: From 184 different restaurants evaluated, only 44 provide a kids menu and from these 6 restaurants offer gifts associated with it. The most frequently featured items on the menu are roast or fried chicken (25%), hamburgers grilled or fried (25%), nuggets (18%) and pizza (18%). Potato chips are the most frequent side dish options (41%). Only 6 restaurants offered vegetable soup or vegetables added to the meal. Although the water was available, soft drinks and sugary fruit juices are also options. Sweet dessert is a common part of the menu.

Conclusions: Kids' menu options had poor quality with low availability of fruits and vegetables. Shifting foods offered to children in restaurants have the potential to improve diet quality, reduce excess energy intake and promote healthy eating habits.

PALAVRAS-CHAVE

Qualitative evaluation, Kids menu, Restaurant menus

 

Gluten-free diet among Portuguese coeliac adults: perceived difficulties

A dieta isenta de glúten em celíacos adultos portugueses: dificuldades percecionadas
Patrícia Lima; Sara Silva; Bárbara Pereira; Gabriela Tavares; Rui Poínhos; Diana Silva
Resumo

ABSTRACT

Introduction: Coeliac disease can cause a great burden in the coeliacs’ life. Therefore, it is important to assess the difficulties that coeliacs face in their daily life.

Objectives: To evaluate the perceived difficulties of self-reported compliance with the gluten-free diet and with out-of-home eating aspects in a convenience sample of Portuguese coeliac adults.

Methodology: It was performed a transversal observational study where Portuguese coeliac adults were inquired, filling out an online questionnaire. It comprised three sections: sociodemographic and disease characteristics, self-reported compliance with the gluten-free diet and out-of-home eating aspects.

Results: The final sample included 339 participants, where 76.4% were members of Associação Portuguesa de Celíacos, 84.1% were female and the age of coeliac disease diagnosis ranged from 1 to 70 years old. The difficulties identified by the participants in self-reported compliance with the gluten-free diet were “Risk of gluten cross-contamination” (84.1%), “Availability of gluten-free products in public places (coffee shops, hospitals, restaurants, …) (83.8%), “Absence of the gluten-free symbol in the products’ label” (52.2%) and the “Lack of gluten-free food products offer, at an affordable price” (45.7%). In out-of-home eating, the main difficulty was the “Lack of information and unconcern of the establishments’ staff” (44.0%).

Conclusions: Coeliacs face a lot of challenges in terms of daily food choices. The role of patient support groups and education provided by a follow-up team with professional skills in coeliac disease are vital for its management and long-term outcome.

PALAVRAS-CHAVE

Coeliac disease, Compliance, Gluten-free, Survey

 

 

RESUMO

Introdução: A doença celíaca pode ser uma grande sobrecarga na vida dos celíacos. Assim, é importante examinar as dificuldades que os celíacos enfrentam no seu dia a dia.

Objetivos: Avaliar as dificuldades percecionadas na adesão autorreportada à dieta isenta de glúten e na realização de refeições fora de casa numa amostra de conveniência de celíacos adultos portugueses.

Metodologia: Foi realizado um estudo observacional transversal onde se inquiriram celíacos adultos portugueses, através do preenchimento de um questionário online. Este continha três secções: características sociodemográficas e relacionadas com a doença, cumprimento autorreportado da dieta isenta de glúten e aspetos da realização de refeições fora de casa.

Resultados: A amostra final incluiu 339 participantes, em que 76,4% eram membros da Associação Portuguesa de Celíacos, 84,1% eram do sexo feminino e a idade de diagnóstico de doença celíaca variou entre os 1 e 70 anos. As dificuldades identificadas pelos participantes no cumprimento autorreportado da dieta isenta de glúten foram “Risco de contaminação cruzada por glúten” (84,1%), “Disponibilidade de produtos sem glúten em espaços públicos (cafés, hospitais, restaurantes, ...) (83,8%), a “Ausência de símbolo identificador do produto como isento de glúten no rótulo alimentar” (52,2%) e “Ausência de oferta de produtos alimentares sem glúten e a preço acessível” (45,7%). Na realização de refeições fora de casa, a maior dificuldade encontrada foi a “Falta de informação e despreocupação por parte do staff dos estabelecimentos” (44,0%).

Conclusões: Os celíacos enfrentam muitos desafios em termos de escolhas alimentares diárias. O papel dos grupos de apoio destes pacientes e a educação fornecida por uma equipa de seguimento com competências profissionais na doença celíaca são cruciais para a sua gestão e resultados a longo prazo.

PALAVRAS-CHAVE

Doença celíaca, Cumprimento, Sem glúten, Questionário

 

Estado nutricional e funcionalidade em idosos hospitalizados em hospital universitário

Nutritional status and functionality in hospitalized elderly in a university hospital
Raquel Bezerra Barbosa de Moura; Ângela Amorim de Araújo; Janine Maciel Barbosa; Renan Gondim Araújo
Resumo

RESUMO

Introdução: O processo de envelhecimento leva a alterações fisiológicas, entre outras, que se repercutem na saúde e nutrição da população idosa, bem como na deterioração do seu estado funcional.

Objetivos: Avaliar o estado nutricional e funcional de idosos hospitalizados na clínica médica de um hospital escola.

Metodologia: Estudo quantitativo, transversal, com 55 indivíduos hospitalizados com idade ≥ 60 anos, de ambos os sexos. Os sujeitos da pesquisa foram caracterizados quanto aos aspetos sociodemográficos, cujas informações foram colhidas por entrevista direta, onde foi adotado índice de Katz para avaliar o estado funcional, a miniavaliação nutricional e medidas antropométricas para avaliação do estado nutricional. O programa Statistical Package for Social Sciences 13.0 foi utilizado para o tratamento estatístico, considerando-se significativo o valor de p < 0,05 para todos os testes.

Resultados: Foram avaliados 55 idosos, com idades entre 61 e 86 anos, sendo a maioria do sexo masculino (52,7%). Observou-se que 56,4% e 21,8% da amostra se encontrava sob risco de desnutrição ou desnutridos, respetivamente, pela miniavaliação nutricional, enquanto 34,5% apresentava baixo peso pelo índice de massa corporal. Quanto ao estado funcional, apenas 38,2% da amostra apresentou independência para as atividades de vida diária. Na análise de associação entre o estado nutricional e funcional, constatou-se que 88,2% dos idosos que apresentavam algum grau de dependência funcional estavam desnutridos ou sob risco de desnutrição.

Conclusões: O estudo mostra uma elevada percentagem de idosos desnutridos ou em risco de desenvolver desnutrição, os quais apresentam também alguma limitação no seu estado funcional. Encontrou-se ainda uma associação entre a desnutrição e a redução da capacidade funcional dos idosos hospitalizados. Revela-se fundamental que a equipa multidisciplinar esteja atenta ao diagnóstico e intervenção precoce, com vista à manutenção e/ou recuperação do estado nutricional e funcional, promovendo uma melhor qualidade de vida ao idoso e evitando prognósticos desfavoráveis.

PALAVRAS-CHAVE

Desnutrição, Funcionalidade, Geriátricos

 
ABSTRACT

Introduction: The aging process leads to physiological changes that can affect health and nutrition in the elderly population, in addition to reducing their functional status.

Objectives: Assess the nutritional and functional status of elderly patients hospitalized in a medical clinic of a teaching hospital.

Methodology: Quantitative, cross section study with 55 hospitalized individuals aged ≥ 60 of both sexes. The research subjects were characterized regarding their socio-demographics, which were collected through a direct interview, using the Katz Index to evaluate functional status and the mini nutritional assessment and anthropometric measurements to evaluate nutritional status. The software Statistical Package for Social Sciences 13.0 was used for the statistical treatment, considering a p value < 0.05 significant for all tests.

Results: Fifty-five elderly patients were evaluated with aged between 61 and 86 years, most of them men (52.7%). The mini nutritional assessment revealed that 56.4% and 21.8% of the sample was at risk of malnutrition or malnourished, respectively, while 34.5% was underweight according to the body mass index. As for the functional status, only 38.2% of the sample had independence in daily living activities. The association analysis between nutritional and functional status revealed that 88.2% of elderly patients with some degree of functional dependence were malnourished or at risk of malnutrition.

Conclusions: The study shows a high percentage of elderly who are malnourished or at risk of developing malnutrition, in addition to showing some limitation in their functional status. There was an association between malnutrition and the reduction of the functional status of the elderly inpatients. As such, it is essential that the multi-professional team is attentive to the diagnosis and early interventions in order to seek the maintenance and/or recovery of the nutritional and functional status of the elderly, promoting a better quality of life and avoiding unfavorable outcomes.

PALAVRAS-CHAVE

Malnutrition, Funcionality, Geriatrics

 

 

Desnutrição, Sarcopenia e COVID-19 no Idoso. Evidência científica da suplementação de vitamina D

Malnutrition, Sarcopenia and COVID-19 in the Elderly. Scientific evidence for vitamin D supplementation
Inês Henriques; Marisa Cebola; Lino Mendes
Resumo

RESUMO

Introdução: Na pandemia de COVID-19, os idosos são considerados uma população de risco acrescido. Situação que se agrava na presença de desnutrição e sarcopenia. A vitamina D pode ser uma potencial adjuvante na prevenção e tratamento de doentes com infeções virais respiratórias, que normalmente apresentam baixos níveis de vitamina D. A suplementação de vitamina D em doentes com COVID-19, poderá ser um passo importante na prevenção e disseminação da infeção.

Objetivos: Analisar a evidência sobre a suplementação de vitamina D em idosos com desnutrição, sarcopenia e COVID-19.

Metodologia: Analisar a literatura publicada na base de dados eletrónica Pubmed nos últimos 5 anos, utilizando as palavras-chave “covid-19”, “elderly”, “malnutrition”, “sarcopenia” e “vitamin D”. A pesquisa foi realizada entre abril e maio de 2020.

Resultados: A suplementação de vitamina D, em caso de carência, demonstrou um efeito benéfico na melhoria da função muscular e na redução da severidade e mortalidade por infeções respiratórias. Quando associada à proteína e ao exercício físico, apresentou um possível efeito sinérgico na quantidade e qualidade muscular. Em doentes com COVID-19, nas quais foram relatadas concentrações mais baixas de 25 (OH) D, verificou-se um aumento da mortalidade e da incidência da doença.

Conclusões: A evidência existente é pouco conclusiva e não é suficiente para estabelecer uma relação direta entre a deficiência de vitamina D e o risco de incorrer em COVID-19 no futuro. São necessários ensaios clínicos na população humana para estudar essa hipótese e inclusive perceber a influência da malnutrição e sarcopenia.

PALAVRAS-CHAVE

Covid-19, Desnutrição, Idosos, Sarcopenia, Vitamina D

 
ABSTRACT

Introduction: In the COVID-19 pandemic, older people are considered a population at increased risk. This situation is worsened in the presence of malnutrition and sarcopenia. Vitamin D can be a potential adjunct in the prevention and treatment of patients with respiratory viral infections who normally have low levels of vitamin D. Supplementation of vitamin D in patients with COVID-19, may be an important step in preventing and spreading the infection.

Objectives: Analyze the evidence on vitamin D supplementation in elderly with malnutrition, sarcopenia and COVID-19.

Methodology: Analyze the literature published in the electronic database Pubmed in the last 5 years, using the keywords "covid-19", "elderly", "malnutrition", "sarcopenia" and "vitamin D". The survey was conducted between April and May 2020.

Results: Vitamin D supplementation, in case of deficiency, demonstrated a beneficial effect in improving muscle function and in reducing the severity and mortality from respiratory infections. When associated with protein and physical exercise, it showed a possible synergistic effect on muscle quantity and quality. In patients with COVID-19, in which lower concentrations of 25 (OH) D have been reported, there has been an increase in mortality and disease incidence.

Conclusions: The existing evidence is not conclusive and is not sufficient to establish a direct relationship between vitamin D deficiency and the risk of incurring COVID-19 in the future. Clinical trials in the human population are needed to study this hypothesis and even to understand the influence of malnutrition and sarcopenia.

KEYWORDS

Covid-19, Elderly, Malnutrition, Sarcopenia, Vitamin D

 

 

 

Presença de trihalometanos na água: potenciais riscos

Trihalomethanes presence in the water: potencial risks
Marta Laranjeiro Pinto; Ana Lúcia Baltazar
Resumo

RESUMO

O cloro é o químico mais usado para desinfeção da água. No entanto, quando a reação não é completa, o restante cloro pode reagir com compostos orgânicos resultando na formação de trihalometanos. Os limites legais para estes compostos variam de país para país, mas a União Europeia estabeleceu 80 µg/L como o limite máximo aceitável. Este artigo de revisão visa uma análise da situação portuguesa em relação aos níveis de trihalometanos presentes da água, explora potenciais riscos para a saúde e possíveis estratégias para reduzir os seus níveis. Vários estudos epidemiológicos reportaram uma associação entre a exposição prolongada a níveis elevados de trihalometanos e o desenvolvimento de cancro. Apesar de haver resultados contraditórios, parece haver associação com o risco de desenvolver cancro da bexiga, reto e pâncreas. Uma das limitações destes estudos está relacionada com a dificuldade em controlar todos os fatores que podem ter impacto nos níveis de trihalometanos no corpo humano. Neste sentido, apesar de a exposição a trihalometanos através da ingestão de água contaminada ser o mais frequentemente estudado, há outras formas de exposição incluindo a dérmica e a respiratória. A primeira é particularmente relevante durante o banho, nomeadamente devido ao aquecimento da água, e a segunda quando se frequentam piscinas. Outros problemas de saúde potencialmente associados à exposição a trihalometanos incluem infertilidade e complicações na gravidez, mas mais estudos são necessários. Como conclusão, muitos fatores são ainda desconhecidos relativamente ao impacto dos trihalometanos na saúde humana. Trabalhos futuros deverão ter em consideração a exposição cumulativa através das várias vias por forma a serem obtidas conclusões relevantes.

PALAVRAS-CHAVE

Cancro, Clorinação, Cloro, Piscinas

 
ABSTRACT

Chlorine is the most used chemical to disinfect water. Nevertheless, the reaction is not complete, and the remaining chlorine reacts with organic compounds present in the water leading to the formation of trihalomethanes. The legal limits for these compounds in drinking water vary from country to country, but guidelines from the European Union established 80 µg/L as the maximum accepted concentration. The objective of this review work was to analyze the Portuguese situation regarding trihalomethanes levels in the water, assess possible health risks and strategies to reduce their levels. Several epidemiological studies have reported an association between long-time exposure to higher trihalomethanes levels and cancer risk. Despite conflicting data, the stronger associations were for bladder, rectal and pancreatic cancer. One of the limitations of these studies is related to the difficulty in controlling confounding factors. In this sense, although the usual focus is trihalomethanes ingestion through drinking water, there are other forms of exposure, specifically dermic and inhalation. The first is particularly relevant during shower, due to the heated water, and the second when attending swimming pools. Other reported health problems due to trihalomethanes exposure include infertility and pregnancy complications, but these require additional research. In conclusion, many factors are still unknown regarding the impact of trihalomethanes on human health. Future investigations should take into consideration the cumulative exposure through different routes to obtain comprehensive and relevant conclusions.

KEYWORDS

Cancer, Chlorination, Chlorine, Swimming pools

 

 

Microbiota intestinal e obesidade infantil – uma revisão narrativa

Intestinal Microbiota and Chid obesity - A review
Daniela Carvalho; Ana Faria; Helena Loureiro
Resumo

RESUMO

Introdução: A composição da microbiota intestinal tem sido cada vez mais apontada como um fator preponderante para a obesidade, nomeadamente a obesidade infantil, uma vez que a infância é um período crítico para o desenvolvimento das bactérias colonizadoras do intestino.

Objetivos: O objetivo deste trabalho é realizar uma revisão narrativa, de forma a verificar as diferenças na composição da microbiota intestinal das crianças e adolescentes com excesso de peso/obesidade comparativamente às normoponderais, através da análise de artigos científicos, de intervenção e de observação, com foco no papel da microbiota intestinal na idade pediátrica.

Metodologia: Foi efetuada uma recolha e análise de artigos, sendo que foram selecionados 14 artigos para comporem esta revisão.

Resultados: O aumento do rácio firmicutes/bacteroidetes está associado ao aumento do peso/índice de massa corporal infantil. Verifica-se também que tanto a diversidade como a quantidade total de bactérias no intestino, variam de acordo com o peso corporal e que fatores como a dieta, suplementação em probióticos e antibióticos podem ter um papel preponderante na formação da microbiota intestinal infantil.

Conclusões: A informação analisada sugere que existe uma associação entre a composição da microbiota intestinal e o peso corporal. Contudo, ainda são poucos os estudos existentes para poder reconhecer de forma clara e precisa o papel da microbiota intestinal na etiologia da obesidade infantil.

PALAVRAS-CHAVE

Microbiota intestinal, Obesidade infantil

 
ABSTRACT

Introduction: The composition of the intestinal microbiota has been increasingly pointed as a major factor for obesity, particularly in childhood obesity since childhood is a critical period for the development of colonizing bacteria in the gut.

Objectives: The aim of this study is to carry out a narrative review, in order to verify differences in the composition of the intestinal microbiota of children and adolescents with overweight/obesity compared to normal weight, through the analysis of scientific articles, interventions and observations, focusing on the role of intestinal microbiota in pediatric age.

Methodology: A selection and analysis of articles was performed, and 14 articles were selected to compose this review.

Results: The group of bacteria most associated with weight gain / body mass index in children are bacteroidetes and firmicutes. It is also found that diversification and bacterial quantification of the intestinal microbiota vary according to body weight, and that factors such as diet, probiotic supplementation and antibiotics may have a major role in the formation of childhood intestinal microbiota.

Conclusions: The analyzed information suggests that there is an association between intestinal microbiota composition and body weight. However, there are still few studies to be able to clearly and precisely recognize the role of intestinal microbiota in the etiology of childhood obesity.

KEYWORDS

Intestinal Microbiota, Childhood obesity

 

Fucoxantina: a solução para a obesidade?

Fucoxanthin: a solution to obesity?
Ana Fialho; Filipa Santos; Joana Abreu; Pamela Fonte; Ana Lúcia Baltazar
Resumo

RESUMO

A fucoxantina é um dos carotenóides mais abundantes no ambiente marinho, podendo ser encontrada em microalgas e macroalgas. Atualmente, verifica-se um aumento de estudos com este composto, devido aos seus múltiplos benefícios para a saúde, nomeadamente o seu efeito anti-obesogénico.

O presente artigo de revisão narrativa pretende caracterizar os processos de metabolização e toxicidade, bem como os mecanismos de ação da fucoxantina no controlo da obesidade.

Esta revisão foi realizada na base de dados “PubMed” usando os descritores “fucoxantina”, “efeito anti-inflamatório” e “obesidade”. A partir da fonte mencionada, analisaram-se 44 artigos tendo sido selecionados 28, publicados entre 2015 e 2020.

Após a administração de fucoxantina, esta é rapidamente metabolizada em fucoxantinol. Parte deste metabolito é subsequentemente desidrogenado para amarouciaxantina A no fígado. Estudos demonstraram que a fucoxantina tem propriedades terapêuticas, tendo um efeito notável na obesidade, através da estimulação da expressão de UCP1. Esta proteína reduz o tecido adiposo branco e inibe a acumulação intracelular de lipídios no pré-adipócito.

Foi demonstrado que a fucoxantina tem um papel importante no controlo da obesidade, através da expressão da UCP1. Uma das principais limitações da presente pesquisa foi o facto da maioria dos estudos terem utilizado modelos animais com doses diferentes administradas. No entanto, existem alguns estudos realizados em ratos que demonstram que o DL50 é provavelmente superior a 2000 mg/kg de peso.

Considerando o objetivo previamente definido, foi possível caracterizar os processos de metabolização e toxicidade, bem como os mecanismos de ação da fucoxantina, enquanto composto anti-obesogénico.

PALAVRAS-CHAVE

Efeito anti-inflamatório, Fucoxantina, Obesidade, Tecido adiposo, UCP1

 
ABSTRACT

Fucoxanthin is one of the most abundant carotenoids in the marine environment, and it can be found in microalgae and macroalgae. Currently, there has been an increase in studies with this compound, due to its multiple health benefits, namely its anti-obesogenic effect.

The present narrative review article pretends to caracterize the metabolization processes and toxicity, as well as the mechanisms of action of fucoxanthin in the control of obesity.

This research was conducted in the database “PubMed” using “fucoxanthin”, “anti-inflammatory effect” and “obesity” as keywords. From the mentioned source, we analyzed 44 articles and selected 28, from 2015 to 2020.

After administration of fucoxanthin, it’s rapidly metabolized to fucoxanthinol. Part of this metabolite is subsequently dehydrogenated to amarouciaxanthin A in the liver. Studies found that fucoxanthin has therapeutic properties, with a notable role in obesity. Additionally, it verified that fucoxanthin acts in this process, stimulating UCP1 expression, reducing white adipose tissue and inhibiting the intracellular accumulation of lipids in the pre-adipocyte.

It demonstrated that fucoxanthin could have a role in the control of obesity, through the expression of UCP1. One of the significant limitations of the present research was the fact that most of the studies used a non-human model and different doses. Nevertheless, there are some studies carried out on mice that demonstrate LD50 is probably higher than 2000 mg/ kg of weight. According to the previously defined objective, it was possible to caracterize the metabolization processes and toxicity, as well as the mechanisms of action of fucoxanthin, as an anti-obesogenic compound.

KEYWORDS

Anti-inflammatory effect, Fucoxanthin, Obesity, Adipose tissue, UCP1

Desenvolvimento da versão em Português do Nutriscore

Development of the Portuguese version of Nutriscore
Joana FG Mendes; Elisa Ruivo; Ana Simas; Teresa F Amaral
Resumo

RESUMO

O Nutriscore é a única ferramenta de rastreio da desnutrição desenhada especificamente para doentes oncológicos em ambulatório. Dado que não existe uma versão em português, o objetivo deste estudo foi produzir uma tradução Portuguesa validada. Foram seguidas as recomendações da International Society for Pharmacoeconomics and Outcomes Research, tendo-se cumprido os dez passos: preparação, tradução, reconciliação, retrotradução, revisão da retrotradução, harmonização, avaliação da compreensão, revisão, finalização e produção do relatório final. A ferramenta foi aplicada a uma amostra de 46 doentes com patologia oncológica, seguida em ambulatório. Conclui-se, assim, que a versão em Português do Nutriscore mantém os conceitos e equivalência da ferramenta original, é de fácil compreensão e aplicação, com boa aceitabilidade e validade aparente. Esta versão terá utilidade para determinar o risco de desnutrição em doentes oncológicos seguidos em ambulatório em Portugal e eventualmente noutros locais onde seja usada a língua Portuguesa.

PALAVRAS-CHAVE

Desnutrição, Nutriscore, Oncologia, Rastreio nutricional

 

ABSTRACT

Nutriscore is the only nutritional screening tool developed specifically for oncological outpatients. Due to the absence of a Portuguese version, the aim of this study was to create a Portuguese validated translation. The ten steps of the International Society for Pharmacoeconomics and Outcomes Research guideline were followed: preparation, forward translation, reconciliation, back translation, back translation review, harmonization, cognitive debriefing, review of the cognitive debriefing results and finalization, proofreading and final report. The screening tool was applied to 46 oncological outpatients by six health care providers. It can be concluded that the Portuguese version of Nutriscore maintains the concepts and equivalence of the original tool, is easy to understand and apply, with good acceptability and face validity. This version will be useful for determining the risk of undernutrition in outpatient oncological patients in Portugal and eventually in other settings where the Portuguese language is used.

KEYWORDS

Undernutrition, Nutriscore, Oncology, Nutritional screening

 

 

 

Impacto de uma década de um programa de base comunitária em meio escolar, na obesidade Infantil em Portugal: MUN-SI 2008-2018

Impact of a community-based program during a decade in schools setting on childhood obesity in Portugal: MUN-SI 2008-2018
Ana Rito; Délfia Lopes; Joana Baleia; Sofia Mendes
Resumo

RESUMO

Introdução: Em Portugal, a Obesidade destaca-se como a doença mais prevalente na infância, com 1 em cada 3 crianças com excesso de peso, ainda que pareça observar-se uma tendência invertida na última década. Programas contínuos, de base comunitária ao nível local parecem responder de forma eficaz a esta problemática. O MUN-SI surgiu em 2008, como um programa de promoção da saúde infantil em municípios com o objetivo de retardar o excesso de peso infantil de forma interativa.

Objetivos: Avaliar o impacto do MUN-SI no estado nutricional, a mudança comportamental e de hábitos alimentares, a aquisição de conhecimentos, a adesão à Dieta Mediterrânica e a prática de atividade física, em crianças dos 6 aos 10 anos, entre 2008 e 2018, no Município de Oeiras.

Metodologia: O MUN-Si intervém através de uma matriz de 3 parâmetros: promover hábitos alimentares saudáveis de acordo com a temática a abordar, promover a prática de atividade física regular e avaliar o estado nutricional infantil, em escolas do 1.º Ciclo do Ensino Básico. As sessões de intervenção lúdico-educativas em sala de aula foram implementadas por nutricionistas treinados e incluíram: diagnóstico inicial e sensibilização para a temática, intervenção motivacional e avaliação do programa com participação ativa da família. Os comportamentos alimentares e prática de atividade física foram avaliados através de um questionário à família. O estado nutricional infantil foi classificado pelos critérios da Organização Mundial da Saúde, 2007.

Resultados: Registou-se uma mudança comportamental positiva na preferência de inclusão de hortofrutícolas nos lanches (+2,3% em 2015/2016) e ao pequeno-almoço (+16% em 2014/2015 e +11,9% em 2017/2018). A aquisição de conhecimentos sobre a Dieta Mediterrânica foi verificada em +12,1% a 21,1%, entre 2016 e 2019 e a adesão à Dieta Mediterrânica aumentou em 20,9%, em 2016/2017. Houve um aumento na prática de atividade física regular (11 a 15%) e uma redução de 11,2% na prevalência excesso de peso (35,5% para 24,3%) e 10,3% de obesidade (16,7% para 6,4%) (p<0,005).

Conclusões: Os resultados do MUN-SI sugerem que programas de base comunitária multidisciplinares integrados e aplicados continuamente ao nível local, têm efeito na adoção de estilos de vida mais saudáveis e na diminuição da prevalência de excesso de peso e obesidade infantil.

PALAVRAS-CHAVE

Municípios, Obesidade infantil, Programa de base escolar, Programa de nutrição e saúde comunitária

 

ABSTRACT

Introduction: In Portugal, obesity is the most prevalent disease in childhood, with 1 in every 3 children being overweight, although in the last decade it has been showing a downward trend. Ongoing, community-based programs at local level seem to respond effectively to this problem. MUN-SI emerged in 2008 as a program to promote child health in municipalities with the aim of interactively tackle childhood overweight and obesity.

Objectives: Impact assessment of MUN-SI program on the nutritional status, on attitudes and behaviors regarding diet, on knowledge and adherence to the Mediterranean Diet and on physical activity, of children aged 6 to 10 years, between 2008 and 2018, in the municipality of Oeiras.

Methodology: MUN-SI intervenes through a matrix of 3 parameters: to promote healthy eating habits according to the selected theme, to promote regular physical activity, and to assess the nutritional status of children in primary schools, after the intervention. The playful-educational intervention classroom sessions were implemented by trained nutritionists and included: initial diagnosis and awareness of the theme, motivational intervention and evaluation of the program with active family participation. Eating behaviors and physical activity were assessed using a family questionnaire. Child nutritional status was classified according to World Health Organization, 2007 criteria.

Results: There was a positive behavioral change in the preference for including fruit and vegetables in home brought to school lunches (+ 2.3% in 2015/2016) and at breakfast (+ 16% in 2014/2015 and + 11.9% in 2017/2018). The acquisition of knowledge about the Mediterranean Diet was observed in + 12.1% to 21.1% of the children, between 2016 and 2019 and the adherence to Mediterranean Diet increased in 20,9% of the children in 2006/2017. There was an increase in regular physical activity (11 to 15%) and a reduction of 11, 2% in the prevalence of overweight (35.5% to 24.3%) and 10.3% of obesity (16.7% to 6.4%) (p <0.005), during the decade of the study.

Conclusions: The results of MUN-SI program suggest that integrated, multidisciplinary community-based programs on a continuous basis, at local level, have an effect on the adoption of healthier lifestyles by school age children and on decreasing the prevalence of overweight and childhood obesity.

KEYWORDS

Municipalities, Childhood obesity, School-based program, Nutrition and health community program

 

 

 

Edição nº21

Resumo

[av_four_fifth first min_height='' vertical_alignment='' space='' custom_margin='' margin='0px' padding='0px' border='' border_color='' radius='0px' background_color='' src='' background_position='top left' background_repeat='no-repeat' animation='' mobile_display=''] [av_magazine link='portfolio_entries,48' items='-1' offset='0' tabs='aviaTBtabs' thumbnails='aviaTBthumbnails' heading='' heading_link='manually,http://' heading_color='theme-color' heading_custom_color='#ffffff' first_big_pos='top'] [/av_four_fifth] [av_one_fifth min_height='' vertical_alignment='' space='' custom_margin='' margin='0px' padding='0px' border='' border_color='' radius='0px' background_color='' src='' background_position='top left' background_repeat='no-repeat' animation='' mobile_display=''] [av_hr class='default' height='50' shadow='no-shadow' position='center' custom_border='av-border-thin' custom_width='50px' custom_border_color='' custom_margin_top='30px' custom_margin_bottom='30px' icon_select='yes' custom_icon_color='' icon='ue808'] [av_image src='https://actaportuguesadenutricao.pt/wp-content/uploads/2020/08/acta-21-211x300.jpg' attachment='2852' attachment_size='medium' align='center' styling='' hover='' link='manually,https://actaportuguesadenutricao.pt/wp-content/uploads/2020/08/ACTA_21_LOW.pdf' target='_blank' caption='' font_size='' appearance='' overlay_opacity='0.4' overlay_color='#000000' overlay_text_color='#ffffff' animation='no-animation'][/av_image] [av_button label='Pesquisa avançada' link='page,30' link_target='' size='small' position='center' icon_select='yes' icon='ue803' font='entypo-fontello' color='theme-color' custom_bg='#444444' custom_font='#ffffff'] [/av_one_fifth]