Arsénio: Um potencial tóxico para o consumidor das Algas Nori?

Beatriz Lúcio, Eduarda Carvalho, Joana Fernandes, Rafaela Melo e Ana Lúcia Baltazar

Acta Portuguesa de Nutrição 2020, 22, 52-54 , https://dx.doi.org/10.21011/apn.2020.2210

Visualizações: 352 | Downloads PDF: 17


Download PDF See metadata Add to Mendeley Cite

Resumo

As algas são uma fonte de novos compostos bioativos, como alguns polissacarídeos, que não são encontrados em plantas terrestres, que podem conferir propriedades benéficas para a saúde. Segundo os autores Desideri, Mac Minagail e Zhao YF sabe-se que as algas marinhas contêm altos níveis de arsénio, em diferentes formas químicas.

O principal objetivo desta revisão da literatura é avaliar os níveis de toxicidade do arsénio, isto é, a quantidade mínima que induz uma reação adversa na saúde do consumidor da espécie de algas Porphyra.

A elaboração deste artigo foi feita com base numa revisão da literatura nas bases de pesquisa científica “Science Direct” e “Google Académico”.

O arsénio inorgânico, que apresenta toxicidade, foi detetado em concentrações elevadas apenas nas algas hijiki (Sargassum fusiforme), sendo que as algas Nori não apresentaram valores significativos deste elemento (19,2± 8,4 mg/kg).

Conclui-se que nas algas Nori, quando consumidas com moderação (não excedendo as 12 g/dia), a concentração de arsénio inorgânico não é muito elevada, pelo que não é considerada tóxica para os consumidores.



Palavras-chave: Algas Nori, Arsénio, Arsénio inorgânico, Saúde, Toxicidade