A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO EM PARALISIA CEREBRAL

Joana Sampaio, Maria Antónia Campos, Cláudia Afonso e

Acta Portuguesa de Nutrição 2015, 3, 22-25

Visualizações: 99 | Downloads PDF: 14


Download PDF See metadata Add to Mendeley Cite

Resumo

Uma das defnições mais recentes da paralisia cerebral descreve-a como um grupo de alterações permanentes, mas não inalteráveis, do movimento e da postura, que causa limitações na atividade, as quais são atribuídas a lesões não progressivas que ocorrem no cérebro imaturo e em desenvolvimento. Nesta população são comuns as difculdades alimentares. Estas podem resultar de uma defciência oro-motora (difculdades de mastigação e/ou deglutição), disfagia e defciência sensorial, com ou sem distúrbios comportamentais. A estas difculdades alimentares podem, ainda, estar associados problemas de saúde como aspiração de alimentos e infeções pulmonares, refuxo gastroesofágico e obstipação. A baixa ingestão hídrica, ou até mesmo desidratação, o aumento do tempo despendido para efetuar uma refeição e a ingestão insufciente (que pode levar a baixo peso) são outras das consequências destes problemas na alimentação. Por outro lado, existem situações em que é comum observar-se excesso ponderal por diversas razões (por exemplo, sedentarismo). A intervenção a nível alimentar/nutricional é, por isso, fundamental para a melhoria da qualidade de vida do indivíduo. É, ainda, imprescindível que os cuidadores disponham de toda a informação e motivação para lidar com as suas especifcidades, de forma a que as refeições sejam o mais agradáveis e seguras possível. Nesta população, a alimentação pode ser o nosso maior aliado.



Palavras-chave: Alimentação, Difculdades e problemas alimentares, Intervenção alimentar/nutricional, Paralisia cerebral