Investigação qualitativa: Perspetiva geral e importância para as Ciências da Nutrição

Qualitative research: General perspective and importance for the Nutrition Sciences
Isabel Ferraz Pinto; Claudinei José Gomes Campos; Cibele Siqueira
Resumo

RESUMO

Este artigo apresenta, de forma simples, a definição e fundamentos da pesquisa qualitativa, de forma a introduzir a temática da importância desta metodologia de investigação, para as ciências da nutrição e alimentação e os nutricionistas. Ao contrário da metodologia quantitativa, a pesquisa qualitativa é realizada através de uma abordagem interpretativa e naturalística do tema de estudo. Com o foco nos significados atribuídos pelos indivíduos ao objeto de estudo, a investigação qualitativa oferece um percurso científico propício à compreensão de um fenómeno tão complexo como o alimentar e nutricional. Não obstante o atual reconhecimento científico da importância da evidência qualitativa, a utilização desta metodologia é ainda muito reduzida e/ou pouco valorizada. O estabelecimento de mecanismos de educação e formação nesta temática e a elaboração de processos de colaboração interdisciplinar na realização de estudos científicos tornam-se assim vitais para o desenvolvimento da utilização desta metodologia, na área das ciências da nutrição e alimentação.

PALAVRAS-CHAVE

Metodologia, Nutrição e Alimentação, Pesquisa qualitativa

 

ABSTRACT

This article presents, in a simple way, the definition and foundations of the qualitative research in order to introduce the thematic of the importance of this research methodology for the nutritional sciences and nutritionists. Unlike the quantitative methodology, qualitative research is realized through an interpretative and naturalistic approach of the subject of study. Qualitative research offers a scientific pathway conducive to the understanding of a phenomenon as complex as food and nutrition, however the use of this methodology is still very reduced or little valued. The establishment of education / training mechanisms in this area and processes of interdisciplinary collaboration in the conduct of scientific studies thus becomes vital for the development of the use of this methodology in the area of nutrition and food sciences.

KEYWORDS

Methodology, Food and Nutrition, Qualitative research

 

 

Microbiota Intestinal e Espondiloartrites: o papel da dieta na terapêutica

The gut microbiota and spondylarthritis: the role of diet in therapeutics
Inês Barreiros Mota; Ana Faria; Fernando M Pimentel-Santos; Conceição Calhau
Resumo

RESUMO

A microbiota intestinal constitui a maior comunidade de bactérias no corpo humano e a sua alteração está associada a diversas patologias. Diversos estudos referem que a microbiota intestinal pode ter um papel preponderante na espondiloartrite. Os mecanismos sugeridos, que poderão estar implícitos nesta relação, incluem a permeabilidade intestinal, a estimulação do sistema imunitário, o mimetismo molecular, entre outros. O papel da alimentação na modulação da microbiota enquanto medida preventiva ou terapêutica na espondiloartrite, parece ser algo promissor e suficientemente relevante para motivar mais investigação futura, principalmente de translação.

PALAVRAS-CHAVE

Disbiose, Espondiloartrites, Inflamação, Intervenções alimentares, Microbiota intestinal

 

ABSTRACT

The gut microbiota is the major bacterial community in the human body, and its imbalance, dysbiosis, is associated with various pathologies. Many studies support the notion that the gut microbiota plays an important role in spondyloarthritis. The possible mechanisms, which may be implicit in this relationship, include intestinal permeability, stimulation of the immune system, molecular mimicry, among others. The role of diet in modulating the microbiota as a preventive or therapeutic measure in spondyloarthritis appears to be promising and sufficiently relevant to motivate further future research, especially translation research.

KEYWORDS

Dysbiosis, Spondyloarthritis, Inflammation, Dietary manipulation, Gut microbiota

 

 

Importância da escola na educação alimentar em crianças do primeiro ciclo do ensino básico – como ser mais eficaz

The role of school in nutrition education in elementary school children – how to be more effective
Beatriz Santos; Clara Silva; Elisabete Pinto
Resumo

RESUMO

Introdução: Nunca se falou tanto da importância de uma alimentação saudável e cuidada desde a infância, no entanto, a batalha da obesidade ainda está longe de ser vencida e parece ser indiscutível o papel que a alimentação tem na etiologia e manutenção desta doença. As crianças passam uma grande parte do seu tempo na escola, onde também têm oportunidade de realizar várias refeições. Para além disso, a escola permite abranger outros grupos, como os pais, os professores, os assistentes operacionais, e até a própria comunidade em que está inserida, permitindo atingir todos os níveis sociodemográficos, o que faz dela um setting para intervenções de educação alimentar.

Objetivos: Esta revisão tem como objetivos responder às seguintes questões: (I) Quais os fatores a ter em conta no planeamento de intervenções eficazes para esta faixa etária? (II) Quais as medidas mais efetivas? (III) O que tem sido feito em Portugal para alterar o comportamento alimentar das crianças? e (IV) O que ainda pode ser feito para obter melhores resultados?

Metodologia: foi feita uma revisão narrativa onde se pretendeu reunir artigos científicos, documentos de organizações nacionais e internacionais que trabalham na área, avaliados trabalhos académicos realizados anteriormente e pretendeu-se, também, acrescentar a experiência das próprias autoras.

Discussão/Conclusões: O sucesso das intervenções de educação alimentar está suportado pela bibliografia existente, mas os resultados ainda não são suficientes para que se reverta a situação de obesidade e de hábitos alimentares considerados pouco saudáveis, como o baixo consumo de fruta e produtos hortícolas. Neste sentido, a inclusão de novas formas de intervenção como a inclusão dos encarregados de educação, docentes e assistentes operacionais, hortas nas escolas, aulas de culinária, atribuição de mascotes aos alimentos e melhoramento das embalagens dos alimentos a promover, parecem ser importantes para melhorar os resultados dos projetos de intervenção de educação alimentar.

 

PALAVRAS-CHAVE

Comportamentos, Educação alimentar, Escola, Infância, Obesidade

 

ABSTRACT

Introduction: We’ve never talked so much about the importance of a healthy diet since childhood and we’ve never worked on this topic so much like nowadays. However, the fight against obesity is still far from being overcome and it seems unquestionable the role of nutrition in that. Children spend a huge part of their days in school, where they have the chance to eat several meals. Furthermore, the school allows to include other groups, like parents, teachers, school employees and even the local community. It allows to reach all the socioeconomic groups, making it a good place for nutrition education interventions.

Objectives: This review aims to answer to the following questions: (I) Which factors should be taken into account when planning an effective intervention for this group age? (II) Which are the most effective measures? (III) What has been done in Portugal to change the eating behavior in children? (IV) What more can be done for better results?

Methodology: A narrative review was carried out to gather scientific papers, documents of national and international organizations that work in the field, academic thesis and the own previous experience of the authors.

Discussion/Conclusions: The success of nutrition education interventions is supported by the existing bibliography but the results are still not enough to reverse the situation of obesity and unhealthy eating habits such as low consumption of fruit and vegetables. The inclusion of new forms of intervention such as the inclusion of parents, teachers and school staff, school gardens, cooking lessons, the use of well-known characters in food and use appealing packaging to promote healthy foods seems to be important to improve the results of nutrition education projects.

 

KEYWORDS

Behaviours, Nutrition education, School, Childhood, Obesity

 

 

Alimentação vegetariana nos primeiros anos de vida: considerações e orientações

The role of school in nutrition education in elementary school children – how to be more effective
Daniela Pimentel; Inês Tomada; Carla Rêgo
Resumo

RESUMO

As dietas vegetarianas e, em particular, a sua versão mais estrita, associam-se a riscos aumentados de défices energéticos e nutricionais em qualquer fase da vida. Se não forem bem planeadas, são dietas inadequadas para lactentes, uma vez que poderão comprometer de uma forma mais ou menos irreversível o seu crescimento, desenvolvimento e maturação. É, pois, determinante conhecer as recomendações, de forma a adequar estes regimes alimentares às particularidades dos primeiros anos de vida, idade em que ocorre a diversificação alimentar, o treino do paladar, das texturas e finalmente a iniciação da dieta familiar.

Tendo em conta as recomendações sobre diversificação alimentar emanadas pelas sociedades pediátricas bem como o conhecimento existente sobre os alimentos que integram as dietas vegetarianas, os autores alertam para as particularidades destas últimas quando praticadas pelas lactantes e pelos lactentes, e propõem um esquema de diversificação alimentar, num contexto de vegetarianismo.

 

PALAVRAS-CHAVE

Dieta vegetariana, Nutrição da criança, Nutrição do lactente

 

ABSTRACT

Vegetarian diets, and particularly their stricter version, are associated with increased risks of energy and nutritional deficits at any stage of life. If not well planned, they are inadequate diets for infants, since they can compromise their growth, development, and ripeness. It is determinant to know the suitable recommendations in order to adequate these diets in the first years of life, particularly the proper age to introduce certain types of foods in the diet of infant and child, the taste training, textures, and the family diet.

Taking into account the recommendations on food diversification issued by pediatric societies as well as existing knowledge on foods that are part of vegetarian diets, the authors warn to the particularities of these last when practiced by nursing mothers and the infants, and propose a scheme of food diversification, in a context of vegetarianism.

 

KEYWORDS

Vegetarian diet, Child nutrition, Infant nutrition

 

 

Avaliação do risco nutricional em idosos utentes de um Centro de Saúde de Lisboa

Assessment of nutritional risk of elderly patients from a Lisbon Health Center
Joana Lage; Catarina D Simões; Jaime Combadão; Alda Pereira da Silva; Ana Valente
Resumo

RESUMO

Introdução: O envelhecimento populacional é considerado um fenómeno mundial. A identificação precoce da desnutrição é fundamental para uma intervenção individualizada promovendo e protegendo a saúde do idoso.

Objetivos: Avaliar a prevalência do risco nutricional numa amostra de idosos utentes de um Centro de Saúde de Lisboa pertencente à Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo.

Metodologia: Estudo observacional analítico do tipo transversal realizado em 30 idosos (75,4 ± 7,6 anos), utentes de um centro de Saúde de Lisboa. Os dados socioeconómicos, clínicos e de estilo de vida foram obtidos pela aplicação de um questionário de resposta fechada. O peso e a altura foram medidos de acordo com as recomendações da Direção-Geral da Saúde. O Índice de Massa Corporal foi avaliado por comparação com o valor de referência de Lipschitz. A prevalência de desnutrição e risco de desnutrição foi avaliada pela aplicação do Mini Nutritional Assessment - MNA®.

Resultados: A maioria dos idosos (93,3%) realiza 3 refeições diárias e 96,7% dos participantes consome menos água diariamente do que o recomendado pela European Food Safety Authority. Dos idosos avaliados, 36,7% dormia menos de 6 horas/noite. A avaliação do Índice de Massa Corporal segundo classificação de Lipschitz indicou que 54,1% dos homens e 65,2% das mulheres tinham excesso de peso. Os resultados da aplicação do MNA® evidenciaram que 16,7% dos idosos estava em risco de desnutrição.

Conclusões: A prevalência do risco de desnutrição na amostra estudada é relevante, sendo crucial o acompanhamento nutricional dos participantes em risco nutricional e/ou com excesso de peso, de forma a evitar deterioração no seu estado de saúde e promover um estilo de vida saudável.

 

PALAVRAS-CHAVE

Estado nutricional, Excesso de peso, Desnutrição, Idoso

 

ABSTRACT

Introdution: Population aging is considered a worldwide phenomenon. The early identification of malnutrition is essential for an individualized intervention that promotes and protects the health of the elderly.

Objectives: to evaluate the prevalence of nutritional risk in a sample of elderly users of a Lisbon Health Center belonging to the Regional Health Administration of Lisbon and Vale do Tejo.

Methodology: An observational analytical, cross-sectional study was carried out on 30 elderly patients from a health center in Lisbon. Socioeconomic, clinical and lifestyle data were obtained by the application of a closed response questionnaire. Weight and height were measured according to the recommendations of the Directorate-General of Health. Body Mass Index was assessed by comparison with the Lipschitz reference value. The prevalence of malnutrition and risk of malnutrition was evaluated by the application of the Mini Nutritional Assessment - MNA®.

Results: The majority of the elderly (93.3%) consume 3 meals a day and 96.7% of the participants consume daily less water than the recommended by the European Food Safety Authority. Of the elderly evaluated, 36.7% slept less than 6 hours/night. The assessment of Body Mass Index according to Lipschitz’s classification indicated that 54.1% of men and 65.2% of women were overweight. The results of the application of MNA® showed that 16.7% of the elderly were at risk of malnutrition.

Conclusions: The prevalence of the risk of malnutrition in the studied sample is relevant, and nutritional monitoring of participants at nutritional and/or overweight risk is crucial to avoid deterioration in their health status and to promote a healthy lifestyle.

 

KEYWORDS

Nutritional status, Overweight, Malnutrition, Elderly

EDITORIAL

Nuno Borges
Resumo

 

Cumpre-se por estes meses de Outubro e Novembro a apresentação, discussão e votação do Orçamento de Estado para o ano seguinte, documento que pela sua abrangência toca em vários aspetos que são relevantes para as ciências da nutrição e da alimentação. Não pretendendo ser exaustivo na sua apreciação, até porque a versão definitiva não se encontra, à data, aprovada, podemos destacar duas propostas importantes e com previsível impacto nesta área. Em primeiro lugar, a alteração do imposto sobre bebidas açucaradas, que inclui um agravamento do imposto sobre as que têm maior quantidade de açúcar assim como a divisão em quatro (face aos anteriores dois) escalões deste mesmo imposto. Aprofunda-se deste modo a política que visa corrigir pela via fiscal alguns consumos alimentares que sabemos estarem negativamente associados à nossa saúde. Enquanto profissionais da área, desejamos que estas medidas, certamente ainda limitadas, sejam o primeiro passo para a implementação de outras, que não só continuem a desincentivar o consumo de alimentos comprovadamente nocivos como promova o de outros, que pelo contrário sabemos estar associados a melhores níveis de saúde. Os atuais conceitos na área apontam para a necessidade de, mais do que nos focarmos em nutrientes específicos, a aposta incidir na promoção de alimentos e modelos alimentares mais saudáveis, pelo que se aguardam com expectativa os futuros desenvolvimentos nesta área tão relevante. A segunda questão diz respeito ao reforço das verbas para investigação científica, através da dotação da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT). Este reforço rondará os 11%, um número que é bastante significativo, sobretudo se, ao contrário do que sucedeu em alguns anos anteriores, a respetiva execução não for inferior ao valor orçamentado. Haverá, segundo a proposta, um reforço quer das verbas destinadas ao designado emprego científico quer das que se destinam aos projetos de investigação. Estes números constituem uma excelente oportunidade de reforçar a investigação científica nas ciências da nutrição e a crescente qualidade das publicações nacionais (e em colaboração internacional) nesta área serão decerto um impulso decisivo para a obtenção de maiores verbas. O recente programa EEA Grants e vários dos projetos por ele financiados mostrou cabalmente que o investimento científico nas ciências da nutrição é capaz de gerar não só conhecimento e publicações de relevo (algumas publicadas aqui na Acta Portuguesa de Nutrição), como melhorias efetivas no bem-estar das populações. É para esta dinâmica positiva que esta Acta procura contribuir, mantendo-se fiel aos seus princípios de isenção e rigor científico. Só com todos estes atores podemos aspirar à melhoria efetiva da saúde das populações, que tanto depende da forma como se alimentam.

Edição nº14

Resumo

[av_four_fifth first min_height='' vertical_alignment='' space='' custom_margin='' margin='0px' padding='0px' border='' border_color='' radius='0px' background_color='' src='' background_position='top left' background_repeat='no-repeat' animation='' mobile_display=''] [av_magazine link='portfolio_entries,41' items='-1' offset='0' tabs='aviaTBtabs' thumbnails='aviaTBthumbnails' heading='' heading_link='manually,http://' heading_color='theme-color' heading_custom_color='#ffffff' first_big_pos='top'] [/av_four_fifth] [av_one_fifth min_height='' vertical_alignment='' space='' custom_margin='' margin='0px' padding='0px' border='' border_color='' radius='0px' background_color='' src='' background_position='top left' background_repeat='no-repeat' animation='' mobile_display=''] [av_hr class='default' height='50' shadow='no-shadow' position='center' custom_border='av-border-thin' custom_width='50px' custom_border_color='' custom_margin_top='30px' custom_margin_bottom='30px' icon_select='yes' custom_icon_color='' icon='ue808'] [av_image src='http://actaportuguesadenutricao.pt/wp-content/uploads/2018/11/n14-213x300.png' attachment='2345' attachment_size='medium' align='center' styling='' hover='' link='manually,http://actaportuguesadenutricao.pt/wp-content/uploads/2018/11/ACTA-14_high.pdf' target='_blank' caption='' font_size='' appearance='' overlay_opacity='0.4' overlay_color='#000000' overlay_text_color='#ffffff' animation='no-animation'][/av_image] [av_button label='Pesquisa avançada' link='page,30' link_target='' size='small' position='center' icon_select='yes' icon='ue803' font='entypo-fontello' color='theme-color' custom_bg='#444444' custom_font='#ffffff'] [/av_one_fifth]