EDITORIAL

Nuno Borges
Resumo

Nesta edição da Acta Portuguesa de Nutrição damos à estampa o conjunto dos resumos das comunicações livres (orais e posters) e das palestras que constituíram o XVII Congresso de Nutrição e Alimentação da Associação Portuguesa de Nutrição, assim como do I Congresso Internacional de Nutrição e Alimentação.

Cerca de 1750 congressistas, mais de 70 oradores, dos quais 11 internacionais, mais de 30 comunicações científicas são números que demonstram o crescimento contínuo deste evento.

Este ano, sob o tema da Nutrição na Sociedade da Informação, foram debatidos inúmeros temas de grande interesse, nomeadamente no que diz respeito ao papel da Nutrição enquanto ciência e à responsabilidade dos profissionais que a praticam. Para este debate, o Congresso contou com especialistas nacionais e internacionais, que propiciaram excelente e participada discussão, fazendo assim cumprir o principal desígnio deste Congresso. Não menos importante, realçamos o fulgor demonstrado pelas inúmeras comunicações livres apresentadas, que espelham bem o desenvolvimento científico nesta área, desenvolvimento este que começa também a ter repercussões importantes ao nível das políticas de saúde em Portugal.

Esta edição da Acta Portuguesa de Nutrição traz também o final de uma época na sua ainda curta existência. Este é o último número com edição em papel, passando doravante a sua edição a ser totalmente eletrónica, mantendo a periodicidade de quatro números anuais. Pretende assim a Associação Portuguesa de Nutrição tornar a revista ainda mais moderna, em linha com a tendência de muitas publicações científicas atuais, mais ágil na interação com os seus autores e leitores. Fica também a Acta mais amiga do ambiente e com uma superior coerência entre todos os seus números. Estamos certos que o manuseio do papel, com a carga histórica que ainda lhe associamos, fará falta a alguns durante algum tempo. Mas o que não se pretende que mude é o nosso renovado compromisso com a ciência e com o rigor de que se reveste o seu processo de publicação. Essa é, cremos, a marca que mais indelevelmente perdurará no tempo, assim possamos continuar a contar quer com a excelência da atual coordenação editorial quer com a imprescindível colaboração de todos os que generosamente contribuem para as revisões dos artigos.

 

Estratégia para a Alimentação Escolar em Portugal – uma proposta

Portuguese School Food Strategy – a proposal
Alexandra Bento; Tânia Cordeiro; Ana Frias; Clara Salvador; Delphine Dias; Luís Filipe Amaro; Rui da Silva; Carla Gonçalves
Resumo

RESUMO

A escola é descrita como um local privilegiado para a modulação de comportamentos alimentares e para a promoção da saúde, visto proporcionar aos alunos conhecimentos e competências para a adoção de comportamentos saudáveis. Na atualidade, verifica-se a existência de normativos legais e referenciais estratégicos para a alimentação escolar cuja aplicação não tem sido monitorizada, bem como a publicação de novos diplomas em resposta a notícias veiculadas na comunicação social que apontaram fragilidades no fornecimento alimentar nas escolas. O papel excessivamente reativo do Estado nestas matérias deve ser substituído por uma estratégia de longo prazo assente na promoção da saúde, para que seja possível uma avaliação efetiva da alteração dos comportamentos alimentares, indicadores significativos de ganhos em saúde.

É neste sentido que os autores apresentam uma proposta para a intervenção na alimentação escolar em Portugal, com a inclusão do nutricionista escolar, assente em dois eixos fundamentais: intervenção ao nível da comunidade escolar, com informação e respetiva capacitação e intervenção ao nível do ambiente alimentar

PALAVRAS-CHAVE

Alimentação, Bufete, Escola, Nutricionista escolar, Refeitório

 

ABSTRACT

Among the determinants of food intake, the school is described as a privileged place for modulating eating behaviors and health promotion, providing students with the knowledge and skills to adopt healthy behaviors. Currently, there are legal norms and strategic framework documents for school food service, whose application has not been monitored. New regulations were also recently enforced, as a response to media reports of non-conformities in school food supply. The reactive role of the Portuguese State in these subjects should be replaced by a long term strategy based on prevention, enabling an effective assessment of changes in eating behaviors, that are significant indicators of health gains.

It is in this context that the authors present a proposal for intervention in school food supply in Portugal promoting the inclusion of school nutritionists, based on two fundamental axes: intervention at school community level, information and training of students; and intervention in the school food environment.

KEYWORDS

Food, Buffet, School, School nutritionist, Canteen

 

O Paradoxo Insegurança Alimentar e Obesidade: uma revisão da realidade portuguesa e dos mecanismos associados

The food insecurity and obesity paradox: a review of the Portuguese reality and the associated mechanisms
Carla Campos Correia; Ana Baltazar Santos; José Camolas
Resumo

RESUMO

Introdução: Insegurança alimentar é uma situação em que o acesso físico, social e económico do consumidor a alimentos adequados sob o ponto de vista nutricional é escasso ou inexistente. Apesar de o senso comum ditar o contrário, a evidência científica tem mostrado que a obesidade e a Insegurança alimentar estão significativamente associadas.

Objetivos: Contextualizar este paradoxo na população portuguesa e abordar os mecanismos associados.

Metodologia: Foi feita uma revisão narrativa da melhor evidência científica publicada nos últimos 10 anos com as palavras-chave definidas, segundo as normas PRISMA e em snowball, inserindo artigos científicos, documentos oficiais e livros aplicados à população portuguesa.

Resultados: A crise económica sentida nos últimos anos despoletou disparidades sociais. Os grupos mais vulneráveis à Insegurança alimentar em Portugal são as mulheres, desempregados ou empregados em condições precárias, famílias monoparentais, famílias numerosas e com baixo nível de escolaridade. Vários estudos associam a Insegurança alimentar a doenças crónicas como obesidade, dislipidémia, diabetes Mellitus tipo 2 e hipertensão arterial, devido a uma alimentação desequilibrada, rica em produtos alimentares de elevada densidade energética e pobre em micronutrientes, e ao sedentarismo.

Conclusões: A prevenção e a gestão deste problema deve passar pela implementação de programas de monitorização nos cuidados de saúde primários e nas escolas, e aplicar estratégias a nível local para que se possa intervir de uma forma adequada e atempada.

PALAVRAS-CHAVE

Doenças crónicas, Insegurança alimentar, Obesidade/Excesso de peso, Programas de assistência alimentar

 

ABSTRACT

Introduction: Food insecurity exists when people don’t have adequate physical, social or economic access to food. Scientific evidence shows that Food insecurity and obesity are significantly associated.

Objectives: Contextualize this paradox in the Portuguese Population and evaluate the mechanisms associated to it.

Methodology: A narrative review of the best scientific evidence was carried with data from the last 10 years using the defined keywords according to PRISMA standards and to a snowball approach, by choosing scientific papers, official working reports and books directed to the Portuguese Population.

Results: The recent economic crisis has triggered social disparities. The most vulnerable groups to Food insecurity in Portugal are women, unemployed or employed in precarious conditions, single parents, big families and low educational level. Food insecurity is associated with chronic diseases, such as obesity, dyslipidemia, type 2 diabetes and hypertension, due to an unbalanced diet, rich in high density and micronutrient deficient food products, and a sedentary lifestyle.

Conclusions: In order to prevent and deal with this paradox, it is important to implement monitoring programs in primary health care and schools, and apply strategies at a local level to promote an adequate and timely intervention.

KEYWORDS

Chronic diseases, Food insecurity, Obesity/Overweight, Food assistance programs

 

 

Gestational Diabetes and Microbiota: Role of Probiotic Intervention

Diabetes Gestacional e o Microbiota: o Papel da Intervenção com Probióticos
Juliana Morais; Manuela Cardoso; Jorge Branco; Cláudia Marques; Diana Teixeira; Ana Faria; Conceição Calhau
Resumo

ABSTRACT

The number of women with Gestational Diabetes is increasing over the years. The microbiota has been related to energy regulation, immune function and metabolic disorders, such as insulin resistance. It is essential to understand the changes in the gut, placental and vaginal microbiota during pregnancy and the impact this may have on mother and fetus health. Supplementation with probiotics appears to be an effective strategy in the prevention and treatment of Gestational Diabetes and weight gain. Studies shown that probiotic intake improves maternal glucose tolerance and insulin sensitivity. This review intends to shed some light on the influence of gut, placental and vaginal microbiota on Gestational Diabetes and the role of probiotics intervention.

KEYWORDS

Gestational Diabetes, Microbiota, Pregnancy, Probiotics

RESUMO

O número de mulheres com Diabetes Gestacional tem vindo a aumentar. A microbiota tem sido associada à regulação energética, função imunológica e doença metabólica, como a resistência à insulina. É essencial compreender quais as mudanças que ocorrem no microbioma do intestino, da placenta e da vagina durante a gravidez e qual o impacto que essas mudanças podem ter sobre a saúde da mãe e do feto. A suplementação com probióticos parece ser uma terapia eficaz na prevenção e tratamento da Diabetes Gestacional e do ganho de peso. Estudos demonstram que a ingestão de alimentos ricos em probióticos melhora a tolerância à glicose e a sensibilidade à insulina das grávidas. Esta revisão apresenta evidência sobre a influência que a microbiota intestinal, placentária e vaginal têm sobre a Diabetes Gestacional e qual o papel da intervenção com probióticos.

PALAVRAS-CHAVE

Diabetes Gestacional, Microbiota, Gravidez, Probióticos