EDITORIAL

Nuno Borges
Resumo

Cumpriu-se no mês de dezembro 4 anos sobre o reconhecimento da Dieta Mediterrânica como Património Cultural Imaterial da Humanidade. Este processo, que teve o contributo de Portugal, consagrou um modelo de vida, que não sendo exclusivamente sustentado por um tipo de dieta, tem nesta o seu lado mais visível e porventura mais carismático também. Este modelo, baseado numa agricultura de subsistência, pobre, mas com uma inteligentíssima gestão dos parcos recursos, tem recebido a atenção da comunidade científica desde as primeiras observações de Ancel Keys, na já longínqua década de 50 do século XX. São hoje conhecidas inúmeras relações entre a Dieta Mediterrânica (ou, talvez melhor, o conjunto das várias “Dietas Mediterrânicas”) e a nossa saúde, sendo essas relações, quando existem, sempre no sentido de propiciar melhores índices a quem melhor adere aos seus princípios. Não cabendo neste Editorial a descrição exaustiva desses benefícios, diremos apenas que doença cardiovascular, diabetes tipo II, demência de Alzheimer e várias neoplasias são doenças cuja incidência é reduzida para os que cumprem os preceitos deste modelo alimentar. Acresce que se trata de um tipo de dieta claramente amigo do ambiente, sustentável e que merece, também por isso, um destacado lugar quando olhamos para essa vertente cada vez mais indissociável da análise que devemos fazer a cada modelo alimentar.

As virtudes desta dieta resultam, ainda antes de mergulharmos no fascínio das relações bioquímicas e fisiológicas entre os seus componentes e o nosso organismo, de um secular apuramento de ingredientes, nada rejeitando e usufruindo do que a Natureza e o esforço humano propiciavam. Num mundo tão rápido e que sucumbe tão facilmente a modas alimentares que ora proíbem, ora veneram determinados alimentos, serve de importante lição pensarmos que foi o tempo, a sabedoria e o pragmatismo que moldaram este extraordinário modelo alimentar.

Nesta 11.ª edição da Acta Portuguesa de Nutrição damos destaque a três artigos que se debruçam, precisamente, sobre a Dieta Mediterrânica, com distintas abordagens. Ao contribuir, assim, para um ainda mais amplo conhecimento deste nosso património, cumpre-se também um desígnio cultural para esta revista, associando-a pela nobre via da Ciência a esta importante efeméride.

Roda da Alimentação Mediterrânica e Pirâmide da Dieta Mediterrânica: comparação entre os dois guias alimentares

Mediterranean Food Wheel and Mediterranean Diet Pyramid: comparison between the two food guides
Catarina Barbosa; Pedro Pimenta; Helena Real
Resumo

RESUMO

Introdução: A Dieta Mediterrânica é considerada um dos padrões alimentares mais saudáveis do mundo, contudo, a maioria dos países tem o seu próprio guia alimentar. Em Portugal, utiliza-se como guia a Roda dos Alimentos. Contudo, dado que Portugal é um país com características mediterrânicas, foi desenvolvida a Roda da Alimentação Mediterrânica.

Objetivos: Comparar a Roda da Alimentação Mediterrânica e a Pirâmide da Dieta Mediterrânica para verificar e analisar as diferenças e concordâncias entre ambas.

Metodologia: Foram estabelecidos quatro níveis de comparação de diversos parâmetros estabelecidos pelos guias (I: igual em todos os aspetos; II: existência do parâmetro nos dois guias, mas com diferenças ao nível da recomendação; III: só se verifica na Roda da Alimentação Mediterrânica; IV: só se verifica na Pirâmide da Dieta Mediterrânica). Foram analisados 27 parâmetros: sustentabilidade; carnes brancas; carnes vermelhas; carnes processadas; pescado; ovos; leguminosas; hortícolas; fruta; cereais; água; vinho; açúcar e produtos açucarados; gorduras e óleos; atividade física; sazonalidade; sementes; frutos oleaginosos; gastronomia nacional; atividades culinárias; convivência; ervas aromáticas; sal; laticínios; porções equivalentes; descanso; biodiversidade.

Resultados: A percentagem do nível I, II, III e IV é de 29,6%, 48,2%, 3,7% e 18,5%, respetivamente. Os parâmetros correspondentes ao nível I são: convivência, biodiversidade, sustentabilidade, sazonalidade, atividade física, vinho, gastronomia nacional e atividades culinárias; ao nível II são: laticínios, carnes brancas, carnes vermelhas, pescado, ovos, leguminosas, frutos oleaginosos, produtos hortícolas, fruta, cereais, água, gorduras e óleos e ervas aromáticas; ao nível III é: porções equivalentes; ao nível IV são: carnes processadas, sal, açúcar e produtos açucarados, sementes e descanso. Acresce ainda o facto de os guias terem formas esquemáticas diferentes.

Conclusões: Comparando os dois guias, verifica-se que existe elevada concordância entre ambos, sendo que a Roda da Alimentação Mediterrânica, elaborada com base na realidade portuguesa e tradições nacionais, pode afigurar-se como mais adequada para a utilização nas ações destinadas à população portuguesa. Será ainda fundamental dar mais destaque à Roda da Alimentação Mediterrânica nos manuais escolares.

PALAVRAS-CHAVE

Guias alimentares, Manuais escolares, Pirâmide da Dieta Mediterrânica, População portuguesa, Roda da Alimentação Mediterrânica

 

ABSTRACT

Introduction: The Mediterranean Diet is considered one of the healthiest food patterns of the world, however, most countries have their own food guide. In Portugal, it is used as guide, the Portuguese Food Wheel. However, as Portugal is a country with Mediterranean characteristics, the Mediterranean Food Wheel has been developed.

Objectives: Compare the Mediterranean Food Wheel and the Mediterranean Diet Pyramid, to see and analyze the differences and concordances between the two.

Methodology: It was established four levels of comparison of several parameters set by the guides (I: equal in every aspects; II: existence of the parameter in the two guides, but with differences in the recommendation; III: the parameter only exists in the Mediterranean Food Wheel; IV: the parameter only exists in the Pyramid of Mediterranean Diet). Were analyzed 27 parameters: sustainability; white meat; red meat; processed meat; fish; eggs; beans; vegetables; fruit; cereals; water; wine; sugar and sugar products; fat and oils; physical activity; seasonality; seeds; oleaginous fruits; national cuisine; culinary; living together; herbs; salt; dairy products; equivalent portions; rest; biodiversity.

Results: The percentage of the level I, II, III and IV is 29.6 %, 48.2 %, 3.7 % and 18.5 %, respectively. The parameters corresponding to the level I are: conviviality, biodiversity, traditional local foods, seasonality, physical activity, wine, national cuisine and culinary; at level II are: dairy, white meat, red meat, fish/seafood, eggs, beans, oleaginous fruits, vegetables, fruit, cereals, water, fat and oils and herbs; at level III are: equivalent portions; at level IV are: processed meat, salt, sugar and sugar products, seeds and rest. Besides that, the guides have different schematic forms.

Conclusions: Comparing the two guides, it is verified that there is a high agreement between both, being the Mediterranean Food Weel, elaborated based on the Portuguese reality and the entire national culture, history and traditions, and may appear to be the more suitable for use in actions aimed at the Portuguese population. It will also be essential to increase information about the Mediterranean Food Wheel in school textbooks.

KEYWORDS

Food guides, School textbooks, Mediterranean Diet Pyramid, Portuguese population, Mediterranean Food Weel

Hábitos alimentares e perfil antropométrico em atletas de remo da categoria juvenil

Food habits and anthropometric profile of young juvenile rowers
João Lima; Jéssica Rodrigues; José Canhola; Ada Rocha
Resumo

RESUMO

Vários estudos têm demonstrado uma correlação positiva entre o sucesso competitivo e o perfil antropométrico em remadores.

Este trabalho teve como objetivo avaliar os hábitos alimentares e perfil antropométrico de atletas de remo do escalão de juvenis.

Foram avaliados 163 atletas maioritariamente do sexo masculino e com idades entre os 15 e 16 anos. Os hábitos alimentares foram avaliados através de um questionário de aplicação indireta desenvolvido para o efeito e recolhidas as medidas antropométricas: peso, estatura, altura sentado, envergadura e pregas cutâneas.

A maioria dos atletas era normoponderal e foi observada uma maior percentagem de gordura corporal nas atletas do sexo feminino (p<0,001) e nos atletas mais velhos (p<0,001).

Cerca de 67% dos atletas referiram realizar 5 ou mais refeições por dia e os que, habitualmente, tomam o pequeno-almoço (p=0,001), meio da manhã (p=0,026) e ceia (p=0,005) apresentam uma menor percentagem de gordura corporal do que os restantes. Apenas 23,3% dos atletas ingerem fruta fresca mais do que duas vezes por dia, 27,0% sopa e 33,1% hortícolas duas vezes por dia. Aproximadamente 10% dos jovens não consomem qualquer alimento ou bebida antes do treino e mais de 10% referiram ingerir suplementos alimentares com regularidade. Verificou-se uma associação entre a ingestão de água diária e um melhor resultado desportivo (p=0,029).

PALAVRAS-CHAVE

Avaliação antropométrica, Hábitos alimentares, Remadores

 

ABSTRACT

Several studies have shown a positive correlation between competitive success and anthropometric profile of rowers.

This study aimed to evaluate the eating habits and anthropometric profile of juvenile oar rowing athletes.

163 athletes were evaluated most of them from the male gender and were aged between 15 and 16 years old. The dietary habits were evaluated through application of an indirect questionnaire developed for this purpose and the anthropometric measures were collected: weight, height, sitting height, wingspan and skinfolds.

Most athletes showed normal weight and a higher percentage of fat was observed in female athletes (p <0.001) and in older athletes (p <0.001).

Approximately 67% of the athletes reported to have 5 or more meals a day and those who routinely eat breakfast (p = 0.001), mid-morning (p = 0.026) and supper (p = 0.005) presented lower fat mass than the others. Only 23.3% of athletes eat fresh fruit more than twice a day, 27.0% soup and 33.1% vegetables respectively. Approximately 10% of athletes do not consume any food or drink before training and more than 10% reported to consume food supplements. There was an association between daily water intake and a better sports result (p = 0.029).

KEYWORDS

Anthropometric evaluation, Food habits, Rowers

Padrão Alimentar Mediterrânico e Atlântico – uma abordagem às suas características-chave e efeitos na saúde

Mediterranean and Atlantic dietary patterns – an approach to key characteristics and health effects
Mariana Almeida; Andreia Oliveira
Resumo

RESUMO

O estudo dos padrões alimentares capta o efeito cumulativo e de interação dos vários alimentos e nutrientes e podem ser mais facilmente interpretados pela população, assumindo assim particular importância em Saúde Pública. O Padrão Alimentar Mediterrânico e Atlântico são padrões alimentares definidos por uma abordagem orientada por hipóteses prévias (a priori) e são representativos de uma determinada região, como é o caso de Portugal, e dos seus costumes culturais e sociais, reforçados ao longo de vários anos. Cada um apresenta na sua composição propriedades que lhes conferem o estatuto de alimentação saudável. Em termos de efeitos benéficos na saúde, o Padrão Alimentar Mediterrânico e os seus componentes têm sido exaustivamente associados a um menor risco cardiovascular, conferindo também um papel protetor sobre a incidência e mortalidade por cancro, em especial cancro da mama, da próstata, gástrico e colorretal. O Padrão Alimentar Mediterrânico também apresenta evidência de ter um papel favorável na prevenção e tratamento da obesidade, diabetes, doenças inflamatórias reumáticas, osteoporose e a nível cognitivo. Em relação ao papel do Padrão Alimentar Atlântico na saúde, este tem muito menor evidência fruto da sua definição muito mais recente, tendo sido já associado a melhor perfil cardiovascular. A ocidentalização destes padrões alimentares tradicionais preocupa a comunidade científica em geral.

PALAVRAS-CHAVE

Doença, Padrão Alimentar Atlântico, Padrão Alimentar Mediterrânico, Padrões alimentares, Saúde

 

ABSTRACT

The study of dietary patterns captures the cumulative and interaction effect of various foods and nutrients and can be more easily interpreted by the population, thus assuming particular importance in Public Health. The Mediterranean Diet and the Atlantic Diet are dietary patterns defined by an hypothesis-oriented approach (a priori) and are representative of a particular region, such as Portugal, and its cultural and social customs, reinforced over several years. Each one has properties that give them the status of healthy diets. In terms of benefits to health, the MD and its components have been extensively associated with a lower cardiovascular risk, and also a protective effect on cancer incidence and mortality, especially breast cancer, prostate, gastric and colorectal cancer has been described. The MD also presents evidence of having a favorable role in the prevention and treatment of obesity, diabetes, inflammatory rheumatic diseases, osteoporosis and at the cognitive level. The role of the AD in health has much less evidence due to its much more recent definition, but it has already been associated with a better cardiovascular profile. The westernization of these traditional dietary patterns concerns the scientific community in general.

KEYWORDS

Disease, Atlantic Diet, Mediterranean Diet, Dietary patterns, Health

 

Nutrição e Alimentação na Prevenção e Terapêutica da Demência

Diet and Nutrition in the Prevention and Treatment of Dementia
Sofia Alves Cardoso; Isabel Paiva
Resumo

RESUMO

Atualmente, a demência é uma epidemia global com grande impacto social, económico e na saúde, sendo urgente aumentar o conhecimento sobre a sua prevenção e tratamento. Diversos macro e micronutrientes, alimentos e padrões alimentares têm sido estudados como potenciais fatores de risco e de proteção, e agentes no tratamento. Para além da potencial modulação dos fatores de risco vascular, os fatores nutricionais poderão ter uma ação direta na patogénese. Embora ainda não haja evidência consistente e definitiva de ensaios controlados randomizados sobre o efeito dos fatores nutricionais na demência, vários trabalhos sugerem que estratégias nutricionais podem ser custo-efetivas, seguras e fáceis de implementar. Desta forma, é necessário realizar mais investigação para esclarecer o papel da nutrição e alimentação e estabelecer recomendações preventivas e terapêuticas na demência.

PALAVRAS-CHAVE

Alimentação, Demência, Demência Vascular, Doença de Alzheimer, Nutrição, Prevenção, Tratamento

 

ABSTRACT

Currently, dementia is a global epidemic with great impact at social, economic and health levels. Thus, it is urgent to improve knowledge about prevention and treatment. Various macro- and micronutrients, specific foods and food patterns have been studied as potential risk and protection factors and treatment agents. Besides potential modulation of vascular risk factors, nutritional factors may have a direct action in pathogenesis. Albeit there is still no consistent and definitive evidence from randomized controlled studies about the role of nutritional factors in dementia, studies suggest nutritional strategies may be cost-effective, safe and easy to implement. Therefore, the role of nutrition and diet needs to be further investigated to clarify their role and to draw preventive and therapeutic recommendations.

KEYWORDS

Diet, Dementia, Vascular Dementia, Alzheimer’s Disease, Nutrition, Prevention, Treatment

 

 

Dieta mediterrânica e genómica nutricional: potencialidades e desafios

Mediterranean diet and nutritional genomics: potentialities and challenges
Ivo Barbedo Faria; Cláudia Silva; Maria Gil Ribeiro
Resumo

RESUMO

A Dieta Mediterrânica é caracterizada pela abundância de nutrimentos e substâncias com atividade antioxidante e anti-inflamatória, tendo sido implicada na prevenção do envelhecimento celular e de várias doenças crónicas. O conhecimento sobre a influência global desses nutrimentos na fisiologia celular e humana é crucial para uma melhor compreensão acerca dos benefícios da adesão à Dieta Mediterrânica na saúde e doença. Nesse sentido, as tecnologias “ómicas” são ferramentas analíticas muito atrativas uma vez que fornecem informação molecular funcionalmente inter-relacionada, facultando um nível de conhecimento amplo e integrado sobre a ação desses nutrimentos. Contudo, a aplicação dessa abordagem metodológica ao estudo dos benefícios da adesão à Dieta Mediterrânica é presentemente limitada, em parte devido à sua complexidade científica e sofisticação tecnológica. O presente trabalho estabelece a perspetiva histórica dos principais avanços científicos e tecnológicos subjacentes à Genómica Nutricional. Adicionalmente, analisa a contribuição desta área emergente das Ciências da Nutrição para a elucidação dos mecanismos de ação da Dieta Mediterrânica e para a evolução da nutrição personalizada.

PALAVRAS-CHAVE

Azeite, Dieta Mediterrânica, Genómica nutricional, Nutrigenética, Nutrigenómica, Variação genética   ABSTRACT

The Mediterranean Diet is characterised by the abundance of nutrients and substances with antioxidant and anti-inflammatory activity and has been implicated in the prevention of cellular aging and several chronic diseases. Knowledge about the global influence of these nutrients on cell and human physiology is crucial for a better understanding of the benefits of adherence to Mediterranean Diet in health and disease. In this sense, “omic” technologies are very attractive analytical tools since they generate functionally interrelated molecular information, providing a broad and integrated level of knowledge about the action of these nutrients. Nevertheless, the current application of this methodological approach to the study of the benefits of adherence to the Mediterranean Diet is currently limited, in part because of its scientific complexity and technological sophistication. The present work establishes the historical perspective of the main scientific and technological advances underlying Nutritional Genomics. In addition, it analyses the contribution of this emerging field from Nutritional Sciences to the elucidation of the mechanisms of action of Mediterranean Diet and evolution of personalised nutrition.

KEYWORDS Olive oil, Mediterranean Diet, Nutritional genomics, Nutrigenetics, Nutrigenomics, Genetic variation

O desperdício alimentar em Portugal: qual o papel do Nutricionista?

The foodwaste in Portugal: what is the role of the Nutritionist?
Inês Gaspar; Renata Ramalho; Hélder Muteia
Resumo

RESUMO

A população mundial está em crescimento e estima-se que atinja cerca de 8,9 biliões de pessoas em 2050, despoletando na União Europeia a importância para um desenvolvimento sustentável face às alterações que os sistemas alimentares enfrentam, nomeadamente, o choque entre duas realidades, que são o excesso de alimentos e insegurança alimentar e fome. Uma das soluções para atenuar esta realidade é a redução do desperdício alimentar, existindo vários projetos que estão a ser realizados em Portugal para combater esta problemática. E, por isso, neste trabalho foram realizadas entrevistas a algumas entidades, com recurso a um questionário constituído por três perguntas de resposta fechada e cinco perguntas de resposta aberta, tendo como objetivo compreender como é que estas entidades combatem o desperdício alimentar, bem como, encaram a importância do nutricionista neste processo. Concluindo-se que este profissional de saúde, perante as entidades inquiridas, pode ter um papel importante ao longo da implementação dos diversos projetos de combate ao desperdício alimentar existentes em Portugal.

PALAVRAS-CHAVE

Cadeia alimentar, Desperdício alimentar, Nutricionista, Perda de alimentos     ABSTRACT

The world’s population is growing and is estimated to reach 8.9 billion people by 2050. To achieve a sustainable development in the European Union it is mandatory to change food systems, specifically the shock between two realities, one with excess of available food and another with food insecurity and hunger. One of the solutions to mitigate this reality is the reduction of food waste, and there are various projects that are being carried out in Portugal to fight this problem. In this study entities were interviewed, using a questionnaire composed by three questions with closed answers and five questions with open answers, with the objective of understanding how these entities combat food waste, as well as to know how they see the importance of the nutritionist in this process. The results showed that this health professional, for entities, can play an important role in the implementation of various projects to combat food waste in Portugal.

KEYWORDS Food chain, Food waste, Nutritionist, Food loss